Geral

2011: Muammar Kadafi é morto na revolução líbia


Após mais de quatro décadas de ditadura sangrenta, o líder líbio foi morto em 20 de outubro de 2011. Quem foi este homem poderoso, de origem humilde, que o Ocidente tanto adulou antes de fazer cair implacavelmente?Ainda no início de março de 2011, Muammar Kadafi estava plenamente certo: seu povo o adorava, sem exceção, e seria capaz de dar a vida para protegê-lo! Isso embora àquela altura o ditador já tivesse mandado reprimir, de forma brutal, as manifestações por reformas na Líbia, que acabaram desencadeando uma cruel guerra civil. Durante a repressão, pelo menos 30 mil cidadãos foram mortos.

O líder gostava de se manifestar em público. Entre seus discursos mais célebres, esteve aquele em que ameaçava os “ratos” – como classificava os rebeldes –, prometendo caçá-los, de rua em rua, de casa em casa. O que ele não esperava é que os críticos do regime fossem se apoderar de suas palavras, transformá-las no computador, e mixá-las num “hit da revolução”. Afinal, o sistema do autointitulado líder revolucionário não admitia sarcasmo contra sua pessoa.

Filho de simples beduínos, Muammar Kadafi nasceu em 1942 nas proximidades da cidade de Sirte. Em 1969 era aclamado como redentor da pátria: o coronel que, com o apoio de uns poucos militares, fizera cair o rei Idris. Em seguida, partia para impor sua concepção de democracia direta, colocando o destino do povo e do Estado nas mãos de comitês populares.

Opositores eram silenciados

Os fundamentos do socialismo à la Kadafi estão compilados em seu assim chamado “Livro Verde”. Motivado pelo ódio contra toda e qualquer forma de colonização, posicionou-se a favor da autonomia das nações africanas. Para tal, não hesitava em empregar explicações apelativas, como por ocasião de um discurso na Guiné, em 2007:

“Vocês conhecem a Pepsi-Cola? Claro que conhecem. E a Coca-Cola? Quando pedimos Pepsi-Cola ou Coca-Cola, eles sempre dizem que são bebidas americanas ou europeias. Mas não é verdade, pois os ingredientes vêm da África, eles os compraram barato, processaram, e depois os venderam para nós mais caro. Precisamos produzir e vender nossa própria Coca-Cola.”

Sua noção de democracia direta e independência desembocaram numa ditadura cujos opositores eram brutalmente calados. Kadafi enriqueceu com os lucros dos negócios de petróleo, mas também cuidou para que o nível de vida dos líbios se posicionasse entre os mais elevados da África.

Já em 2002, Kadafi forneceu os impulsos e meios financeiros decisivos para a criação da União Africana. Na qualidade de “Rei dos Reis da África”, empregou bilhões na infraestrutura e turismo dos países africanos irmãos, mandou construir estradas e pontes, angariando a simpatia de muitos africanos. Também por esse motivo, durante a guerra civil especulou-se longamente se um país do continente não iria lhe oferecer asilo.

Padrinho do terrorismo internacional

Do ponto de vista internacional, sua biografia assumiu características macabras no momento em que se destacou como padrinho do terrorismo. Grupos como a alemã Facção do Exército Vermelho (RAF) ou o irlandês IRA treinavam na Líbia, e ele apoiava rebeldes no Chade e em Gana.

Consta que armas soviéticas chegaram à Palestina através da Líbia. E numerosos atentados terroristas teriam ocorrido por encomenda do regime Kadafi. Dessa longa lista, constam o golpe a soldados americanos na discoteca La Belle, em Berlim, ou o ataque contra o avião de passageiros dos EUA que caiu sobre a localidade de Lockerbie, na Escócia.

Kadafi sempre negou qualquer envolvimento nesses crimes. Numa entrevista em 1985, após o sequestro de um avião egípcio a caminho de Malta, que teve um fim sangrento, ele afirmou: “Acho estranho se procurar uma relação entre a Líbia e esse trágico incidente. Nossa política e nossa moral são inteiramente contra sequestros de aviões. Somos contra tais atos, ou mesmo tentativas, apoiamos a luta justa em prol da liberdade no mundo”.

Tirano excêntrico

Em 2003 ocorreu uma reviravolta: Kadafi renunciou às armas de destruição em massa, foram suspensas as sanções da Organização das Nações Unidas contra seu país. Chefes de governo ocidentais, do Reino Unido à Alemanha, foram bater à porta de Trípoli para se beneficiar da riqueza petroleira líbia.

Ao apresentar-se em público, o líder líbio sempre chamou a atenção através de seu vestuário inusitado, até mesmo provocador. Na cúpula do G8 de 2009, na Itália, ele decorou seu terno com uma foto do combatente Omar Mukhtar, o qual, nas décadas de 20 e 30, lutara contra a colonização italiana. Apesar disso, o filho de Mukhtar se colocou do lado dos rebeldes líbios, no início de 2011 – contra Muammar Kadafi.


Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais