Medicina & Bem-estar

Terapia virtual contra a tontura

Especialistas testam o recurso no tratamento de labirintite e outras causas de desequilíbrio

Terapia virtual contra a tontura

i119688.jpg

IMAGENS O paciente enfrenta situações de risco virtuais iguais às da vida real

Que tal se livrar daquela tontura ou náusea sentidas assim que o elevador entra em movimento, por exemplo, com um tratamento baseado em sessões especiais de realidade virtual? A estratégia é o mais recente recurso adotado por um grupo de especialistas para tratar o sintoma. Ele é um alerta seguro de que algo não vai bem no labirinto, a parte do ouvido que regula o equilíbrio. Cerca de 85% dos casos de desequilíbrio e de tontura são originados por alterações no funcionamento dessa estrutura.

E são várias as circunstâncias que podem afetá-la. Uma delas é a ocorrência de inflamação ou infecção. Neste caso, o problema é chamado de labirintite. "Em todas as situações, a reabilitação virtual pode ser útil", diz o otorrinolaringologista Maurício Ganança, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Universidade Bandeirante (Uniban). Nessas instituições funcionam dois dos três aparelhos de realidade virtual desenhados com essa finalidade instalados no País.

O equipamento associa óculos em que são projetadas imagens tridimensionais, uma plataforma de apoio para os pés (com sensores de movimentos) e cintos de segurança para braços, tórax e pernas (para evitar quedas). Durante a sessão, o paciente visualiza dez situações com potencial de provocar tontura (escadas ou túneis que se movem, por exemplo) para saber qual delas mais afeta seu equilíbrio. Após a identificação, começam as sessões de reabilitação.

Elas consistem em expor o paciente a estímulos semelhantes aos da vida real que levam ao sintoma. "O objetivo é fazer com que o próprio sistema que regula o equilíbrio aprenda a compensar isso, eliminando o malestar", explica o otorrinolaringologista Ektor Onishi, professor de pós-graduação da Uniban.

A diferença que a chegada da realidade virtual pode fazer no tratamento das tonturas ainda não está clara. As pesquisas existentes documentam que ela é eficaz, mas ainda não há dados para concluir em quais casos o seu desempenho pode ser superior aos exercícios de reabilitação convencionais. Por isso, a terapia virtual tem sido usada de modo complementar. "Em geral, as atividades de reabilitação são sequências de movimentos com a cabeça e o corpo escolhidos de acordo com as alterações de cada paciente", explica a fisioterapeuta Juliana Gazzola, que trabalha com os dois métodos. Junto com a fisioterapeuta Flávia Doná, ela ministra sessões de reabilitação virtual a cerca de 140 pacientes atendidos na Unifesp e na Uniban.

i119691.jpg

Os voluntários participam de um estudo em andamento há dois anos para avaliar as respostas ao método em comparação com pessoas que fazem apenas os exercícios tradicionais. "Dados obtidos até o momento sugerem que a realidade virtual é útil no diagnóstico, no tratamento e promove uma redução nas quedas, especialmente de idosos, durante as sessões", afirma Ganança. O recurso tecnológico também aumenta a adesão ao tratamento, pois torna a reabilitação mais divertida.