Cultura

Sob fogo cerrado

A minissérie Band of brothers expõe com realismo os horrores da Segunda Guerra

A poiada numa campanha publicitária repleta de superlativos, Band of brothers – minissérie em dez capítulos, que estréia no domingo 24, às 21h, no canal pago HBO – cumpre o que anuncia. Produzida pelo cineasta Steven Spielberg e pelo ator Tom Hanks, a minissérie de US$ 120 milhões, considerada a produção televisiva mais cara já realizada, reproduz na tela pequena o mesmo impacto e realismo vistos no cinema em O resgate do soldado Ryan, drama de 1998 sobre a Segunda Guerra, dirigido por Spielberg e estrelado por Hanks. As duas produções tratam
da presença americana no front europeu a partir da invasão da Normandia, em junho de 1944, manobra decisiva na vitória dos aliados. Inspirada no best seller homônimo do historiador Stephen E. Ambrose, Band of brothers concentra o foco numa unidade de elite do Exército americano, o grupo de pára-quedistas da Easy Company, e explora os laços de companheirismo.

Vai do intenso treinamento, ainda em solo americano, até a chegada dos soldados à cidade alemã de Berchtesgaden, na Bavária. O tom documental predomina. A começar pela eliminação da saturação das cores, que deixou as imagens quase num tom sépia. Para completar, os episódios são introduzidos por depoimentos de pára-quedistas veteranos de guerra. Como a minissérie aborda dramas anônimos, a idéia é reforçada por um elenco de desconhecidos, à exceção de David Schwimmer, um dos protagonistas do seriado Friends, que interpreta o oficial Sobel, tipo durão e incompetente, que aparece nos primeiros episódios. Uma das melhores atuações, porém, é de Damian Lewis, no papel do oficial Winters. Não se trata, contudo, de um filme feito para o brilho dos atores, já que todos acabam diluídos num elenco de quase 500 personagens. O que parece interessar é o feito de transportar o espectador para a brutalidade do campo de batalha com enorme fidelidade.

É impressionante, por exemplo, a reconstituição da invasão aérea à Normandia, na qual os aviões C-47 vomitam pára-quedistas aliados. Embora tenha sido criada com a ajuda de computação gráfica, boa parte dos esforços da produção implicou em transpiração real. A floresta de Ardenas foi reconstruída e coberta de neve artificial. Atores também suaram os uniformes, enfrentando, durante dez dias, 18 horas diárias de treinamento militar. Os esforços compensaram. Band of brothers – cujo título será mantido no original – tem cheiro de pólvora. E, como não poderia deixar de ser, os soldados americanos matam os alemães como moscas.