Brasil

Tudo de novo

Operação suspeita dura apenas dez dias

Durou dez dias a presença do goiano Dilson Prado da Fonseca à frente da Transbrasil. Endividado e sem tradição no ramo, Prado havia assumido a empresa prometendo injetar US$ 25 milhões para reativar os vôos, parados desde 3 de dezembro. Sem conseguir dar nenhuma explicação de como pagaria o R$ 1 bilhão que a Transbrasil deve, ele acabou levantando suspeitas de que seria um mero testa-de-ferro do presidente Antonio Celso Cipriani, usado para livrar seu patrimônino e o de outros acionistas em um eventual processo de falência.

O lugar do goiano foi ocupado, na quarta-feira 30, por Michel Tuma Ness. Conhecido por “Michelão” no meio turístico, o executivo preside a Federação Nacional de Turismo e o Clube do Feijão Amigo (uma confraria de apreciadores). Michelão tem mais de 30 anos no setor. Ao contrário de Fonseca, ele não assumirá as ações da empresa, que voltam para o controle da família Fontana, encabeçada por Cipriani. Mas já avisou que os US$ 25 milhões prometidos por Fonseca estão confirmados – o que reforça o papel de “laranja” do goiano. A origem do dinheiro é um mistério. O(s) investidor(es) estariam protegidos por uma cláusula de sigilo. O fato é que, se não levantar vôo logo, a Transbrasil perde suas rotas e suas instalações em Congonhas.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel