Mundo

Parlamento russo aprova tratado de desarmamento

Acordo firmado em 2010 limita as armas nucleares estratégicas nos EUA e Rússia

Parlamento russo aprova tratado de desarmamento

nuclear_bomb_test.jpg

 

O Conselho da Federação, a câmara alta do Parlamento da Rússia, ratificou nesta quarta-feira (26) o tratado de desarmamento nuclear START, concluindo o processo de aprovação do documento assinado pelos presidentes russo e americano em abril de 2010. O tratado obteve a aprovação unânime dos 137 senadores presentes.

Depois de ter sido ratificado pela Duma (câmara baixa) na terça-feira e pelo Conselho da Federação nesta quarta-feira, o tratado deve ser promulgado pelo presidente russo Dmitri Medvedev. O START (Tratado para a Redução de Armas Estratégicas), assinado em 8 de abril de 2010 pelo presidente americano Barack Obama e o colega russo Dmitri Medvedev, limita as armas nucleares estratégicas nos dois países.

O acordo, redigido em Praga um ano antes da assinatura do tratado, em 5 de abril de 2009, explica em parte o motivo de Obama ter recebido o prêmio Nobel da Paz. Segundo o texto, Moscou e Washington têm sete anos para reduzir em 30% os respectivos arsenais, que prevê um máximo de 1.550 ogivas nucleares para cada lado, contra 2.200 atualmente. O START também prevê a retomada da verificações mútuas dos arsenais nucleares, interrompidas no fim de 2009.

Otan

A Otan saudou nesta quarta-feira a ratificação por parte do parlamento russo do novo tratado START com os Estados Unidos, que prevê a redução de seus respectivos arsenais nucleares, e disse acreditar que o acordo favorecerá a cooperação entre a Rússia e a Aliança Atlântica. "Saúdo encarecidamente a ratificação do Parlamento russo", declarou o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, assinalando que sua entrada em vigor é uma "boa notícia para a segurança internacional".

Para Rasmussen, o novo START contribuirá para reforçar a cooperação em termos militares, incluindo a defesa antimísseis, entre a Otan e a Rússia, antigos inimigos durante a Guerra Fria.