12 de outubro: crianças adultas, adultos crianças, crianças crianças, o dia é de todos

Crédito: Pixabay

(Crédito: Pixabay)


Invariavelmente – e irremediavelmente, eu diria – passamos nossas vidas atrelados à infância e aos pais. Em maior ou menor grau de angústia, sofrimento, ansiedade ou quaisquer outros sentimentos, como dependência, saudade, carência, enfim, nós adultos vivemos presos às crianças abandonadas que algum dia todos fomos.

Ontem, em uma de minhas diuturnas (desde que cheguei em NY se tornou hábito) ‘caminhadas filosóficas’ – como as chama minha filhotinha -, me peguei pensando que este é meu primeiro Dia das Crianças órfão, de pai e mãe. Coincidentemente, ou não, a música que tocava no momento era ‘My Father’s Eyes’, do Eric Clapton. E não creio ter sido coincidência, mas sim a causa do pensamento.

Realizei, então, que, até hoje, jamais se passou um único dia da minha vida em que eu não tenha, em algum instante ao menos, ou estado, ou pensado, ou feito algo com ou para meus pais. Naturalmente, até alcançar a independência física (alimentação, proteção, higiene), eu atuava meramente como sujeito passivo na relação parental.

Já pré-adolescente e adolescente, a interação diária se dava sobretudo através da relação hierárquica (respeito, medo, proteção, sustento) estabelecida entre corpos e mentes com necessidades diversas e quase sempre opostas. Mas, ainda assim, aparentemente conflituosa, a convivência era do tipo 24/7; vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana.

Chegado à vida adulta, o equilíbrio entre as ‘dependências’, de lado a lado, aliás, manteve inalterada a rotina do contato, físico ou não, da mesma forma que, após meu próprio pátrio poder, continuei a devotar tempo, cuidado e afeto – bem como demandar o mesmo – numa via de mão-dupla, que se estendeu até o fim da vida deles (primeiro meu pai, depois minha mãe).

Hoje, sem a presença física de ambos – e sem a proteção e o aconchego implícito na relação – continuo com minha rotina de contato diária, agora em pensamento, é claro, onde a saudade e o desamparo se unem em busca das memórias afetivas (conforto) e de fantasias irrealizáveis (presença) que possam me aliviar a dor do crescimento (sim; ainda me encontro em fase de crescimento – você, não?).

O diabo é que, agora, tenho de enfrentar essa dor sozinho. Não há colo, beijo ou abraço que acalentem o vazio existencial que a orfandade plena me traz. E para tornar meu calvário ainda maior, este Dia das Crianças está sendo sem crianças, ou melhor, sem ‘a’ criança, que também já não é mais tão criança assim – o que apenas aumenta o tamanho dessa encrenca toda.

Mas, para ser bem honesto, há uma criança por perto, sim. Uma que é eterna – como o amor de Vinicius – enquanto dure. É essa aqui, que escreve em busca do colo que jamais terá outra vez. Ainda assim, feliz Dia das Crianças! Para as adultas ou não.


Saiba mais
+ Morre a atriz Noemi Gerbelli, a diretora Olívia da novela 'Carrossel', aos 68 anos
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais


Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.