Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

i51902.jpg

A Polícia Federal realiza uma operação inédita. Trata-se da compra de equipamentos militares de última geração para monitorar contrabando de armas, tráfico de drogas e grupos armados nas fronteiras. Os equipamentos, que já começaram a chegar ao Brasil, serão também usados para investigar o crime organizado nas favelas do Rio e de São Paulo. Além de três aviões não tripulados (Vant), previstos para chegar em dezembro, a PF compra binóculos de visão noturna, computadores à prova d’água, potentes microcâmeras e equipamento de reconhecimento facial para instalar nas alfândegas. Há também outro reforço: nos próximos dias serão incorporados à área de inteligência mais mil policiais. Para se ter uma idéia, desde 2003, todas as operações especiais foram feitas com 150 agentes de inteligência. "Até o fim do ano, a PF aumentará em 100 vezes sua potência com o pessoal treinado e os equipamentos. Uma operação que demorava um ano vai durar três meses", diz o chefe de doutrina e treinamento da Divisão de Inteligência Poli-cial da PF, delegado Emmanuel Henrique Balduíno de Oliveira. "Vamos aumentar a eficácia da investigação e a qualidade das provas", diz Oliveira, que comandou as maiores operações especiais da PF desde o início do governo Lula, como Anaconda, Hurricane, Navalha e Chacal. Há duas semanas, ele esteve em Israel para finalizar a compra de vários equipamentos sensíveis – que necessitaram de autorização especial das autoridades militares israeleneses.

i51901.jpgEntre os novos equipamentos, a grande estrela será o avião não tripulado Vant, de fabricação israelense, que custará US$ 20 milhões a unidade. Esses aviões-espiões são disputadíssimos; um deles vai monitorar a segurança nos estádios durante a Olimpíada na China. Com 16 metros de envergadura e uma autonomia de vôo de 36 horas, essa aeronave é capaz de ler um crachá a uma altitude de 16 mil pés (cinco mil metros). Ela pode mapear 1,12 quilômetros quadrados (cerca de 70% do território do Estado do Amazonas) em apenas 20 horas. Em uma semana, seus equipamentos podem escanear todo o território nacional. O Vant também é capaz de detectar túneis com até sete metros de profundidade. A base de controle e recepção de imagens do avião é móvel (um contêiner) e, quando a aeronave excede um raio de 300 quilômetros, passa a ser controlada por satélites. O Vant não precisa violar fronteiras de países vizinhos para investigar grupos e movimentos suspeitos, principalmente na Amazônia. Ele permite monitorar ações humanas a 30 quilômetros de distância. É bom lembrar que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) já instalaram bases a dez quilômetros da fronteira com o Brasil. A aeronave israelense também poderá detectar os "submarinos" improvisados pelos narcotraficantes, que transportam até dez toneladas de cocaína em cada "charuto". O Vant terá também grande utilidade para o controle das placas dos carros usados para contrabandear armas em Ciudad del Este, por exemplo. E, nas favelas do Rio e São Paulo, o avião-espião terá condições de identificar os rostos de traficantes que exibem suas armas com desenvoltura. Imagens como essas possibilitarão mais prisões em flagrante.

Os binóculos militares multifunção são outra importante aquisição tecnológica da PF. Inicialmente, estão sendo comprados 28 deles, a US$ 80 mil a unidade. Esses binóculos são capazes de produzir fotos e filmes digitais e dispõem de visão noturna termal – que capta imagens através de temperatura que é medida por emissão de raios infravermelhos. Eles conseguem enxergar um avião a 25 quilômetros de distância. Um barco de pequeno porte pode ser identificado a 12 quilômetros. Os binóculos permitem ver se uma pessoa está armada a dois quilômetros. Todas as imagens são "georreferenciadas" – jargão técnico para designar o GPS. E os binóculos também têm a capacidade de calcular a distância do alvo. Outro equipamento que está sendo ansiosamente esperado pelos agentes federais é o laptop à prova d’água, que também é resistente a quedas de até 20 metros de altitude. Esse equipamento "robusto" será utilizado em investigações que correm sob segredo de Justiça. Isso porque ele tem a particularidade de apagar o arquivo do relatório do agente depois que esse o transmitir, via satélite, para o supercomputador da PF em Brasília.

i51903.jpgOs agentes da Inteligência também receberão uma minicâmera digital de última geração, com 60 gigabytes de memória e um zoom ótico superpotente. Tudo o que é filmado é "georreferenciado". Se uma câmera ou um laptop desses for roubado, o sistema localizará o equipamento através de GPS.

O diretor-geral, Luiz Fernando Corrêa, diz que mais novidades virão. "Além da área de equipamentos e treinamento, vamos modernizar a gestão." Sua meta é prender o criminoso durante o crime, principalmente nos casos de corrupção. Resta saber se a maior eficácia tecnológica terá o condão de reduzir as críticas às chamadas " ações espetaculosas" da PF.