Brasil

1° de Maio terá Lula no Pacaembu; apoiadores esperam Bolsonaro na Paulista

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participa, neste domingo, 1º, da comemoração do Dia do Trabalho, organizada pelas centrais sindicais, na capital paulista. A três quilômetros de distância do evento sindical, os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) organizam um ato na Avenida Paulista e aguardam confirmação da participação do presidente.

Como mostrou o Estadão, a cúpula dos Poderes Legislativo e Judiciário teme uma explosão do presidente, caso ele participe de protestos no 1º de Maio, em São Paulo. Apoiadores de Bolsonaro vão se reunir em defesa do perdão ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado a 8 anos e 9 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 20. A deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) confirmou presença do ato, marcado para as 14 horas.

Já o pré-candidato à Presidência pelo PT participa do evento organizado por CUT, Força Sindical, CTB, UGT, NCST, Intersindical – Central da Classe Trabalhadora e Pública. O ato está marcado para começar às 10h na Praça Charles Muller, no Pacaembu, e tem como tema “Emprego, Direitos, Democracia e Vida”.

A comemoração do 1º de Maio terá apresentações musicais de artistas como Daniela Mercury, Leci Brandão, Francisco El Hombre, entre outros, e será transmitida pelas redes sociais e YouTube da CUT e das centrais sindicais. Segundo a assessoria do ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), pré-candidato a vice-presidente na chapa de Lula, ele não estará presente.

O pré-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) confirmou presença na comemoração do centenário do ex-governador Leonel Brizola, fundador do partido, que acontecerá em Brasília no domingo.

A assessoria do ex-governador João Doria afirmou que a agenda do pré-candidato tucano para o final de semana ainda não está disponível. Felipe D’Avila (Novo) fará gravações de programas para as redes sociais. A reportagem buscou contato com André Janones (Avante), Simone Tebet (MDB) e Vera Lucia (PSTU), mas não obteve resposta sobre as agendas dos pré-candidatos no 1° de Maio até a publicação da reportagem.