Economia

Walmart aposta em hipermercados e planeja investimento de R$ 1 bilhão no Brasil

Diante de vendas desanimadoras no quinto maior mercado consumidor do mundo, o Walmart está fazendo uma aposta às avessas no Brasil, com investimentos pesados para reformular suas grandes lojas de estilo americano, mesmo num momento em que os clientes cada vez mais procuram opções menores e mais baratas, segundo o jornal The Wall Street Journal.

O Walmart tem planos de gastar R$ 1 bilhão (cerca de US$ 320 milhões) ao longo de três anos para reformar seus hipermercados no Brasil, basicamente mantendo uma estratégia que vem implementando no País há duas décadas. As vendas líquidas da rede no mercado brasileiro têm sido fracas nos últimos anos em relação às de outras operações internacionais, com queda de 4,1% no período de três meses encerrado em 31 de janeiro, ante ganhos de 8,9% no México e na América Central e de 5,4% na China.

“Desde que chegou ao Brasil, o Walmart tem tido dificuldade de se integrar ao mercado”, comentou Flávio Tayra, professor da USP especializado em varejo de produtos alimentícios. “(O Walmart) ocupa um espaço modesto aqui, em vista do potencial que possui”.

Como nos EUA, as grandes lojas do Walmart no Brasil vendem de tudo, de bananas a pneus para automóveis. Esse formato era popular entre os brasileiros no período de hiperinflação dos anos 1980 e do início de década de 1990, quando os preços subiam em ritmo estratosférico. Assim que recebiam salários, os clientes corriam aos hipermercados para garantir seus estoques de mantimentos antes que os preços avançassem mais.

Hoje, porém, essa forma de fazer compras perdeu o apelo. O trânsito enlouquecedor das cidades em expansão torna mais difícil chegar aos supermercados. Com isso, pequenas lojas de bairro atraem um número crescente de brasileiros.

Além disso, um formato mais recente, conhecido como “atacarejo”, ganha cada vez mais popularidade. Lojas com aparência de armazéns voltadas originalmente para pequenas empresas, muitas das quais pertencem ao francês Carrefour e ao Grupo Pão de Açúcar – controlado pelo também francês Casino – vêm atraindo famílias que buscam mantimentos em grande volume e a preços menores. Desde 2015, quando o Brasil afundou na pior recessão de sua história, o atacarejo vem ganhando espaço.

Indo contra a tendência, o Walmart redobrou o foco em hipermercados, investindo em duas redes regionais – Hiper Bompreço e BIG – que foram adquiridas na primeira década do século 21. As lojas de ambas passarão a adotar o nome Walmart e serão reformuladas.

Para alguns analistas, a estratégia do Walmart é equivocada. “Focar num formato que está claramente perdendo participação de mercado e já não é mais muito atraente para os brasileiros não parece ser apropriado,” avaliou Bruna Pezzin, analista da corretora XP Investimentos.

O Walmart não revela seu desempenho financeiro no Brasil e se recusa a dizer se lucra no País. Executivos da rede americana reconhecem, porém, que o Brasil tem sido um constante ponto fraco em sua rede mundial, que é formada por cerca de 11.700 lojas. A subsidiária brasileira já trocou de executivo-chefe quatro vezes desde 2008. E no começo do ano passado, o Walmart anunciou o fechamento de 60 lojas no Brasil. Fonte: Dow Jones Newswires.