Artes Visuais

Vulcão revelado

Exposição realizada em Fortaleza a partir da organização catalográfica da obra de Leonilson traz à luz obras raras e inéditas

Vulcão revelado

CUME Pontos altos e obscuros da carreira de Leonilson, como a escultura efêmera “Boa Viagem”

LEONILSON: ARQUIVO E MEMÓRIA VIVOS/Espaço Cultural Airton Queiroz, Unifor, Fortaleza/ até 9/7

José Leonilson Bezerra Dias (1957-1993) nasceu em Fortaleza, mas foi em São Paulo, para onde mudou-se com a família em 1961, que foi revelado como um dos expoentes máximos da arte contemporânea brasileira. Hoje, é justamente em sua cidade natal que as facetas mais desconhecidas de sua obra vêm a público. Foi a partir da organização catalográfica de sua obra completa para um catalogue raisonée patrocinado pela Fundação Edson Queiroz, de Fortaleza, que o curador Ricardo Resende preparou a mostra “Leonilson: Arquivo e Memória Vivos”.

O ponto de partida é “O peão” (1987), pintura que traz uma figura humana devorada por um abismo. “Essa imagem tem muito a dizer sobre a postura do artista, sobre a forma como ele se entrega à vida. Colocada na entrada da exposição, convida o público a mergulhar em sua obra e em sua intimidade”, diz o curador Ricardo Resende à ISTOÉ. Ao longo das diversas fases, a imagem do mergulho no abismo volta a aparecer em pinturas e desenhos, como em “O rapaz nos cosmos do bom abismo” (1988), ou em “São Sebastião de cabeça para baixo e rapaz pintando a ponte” (1993).

O peixe, outro elemento constante na poética do artista, aparece no trabalho mais antigo de que se tem conhecimento, datado de 1971. Escadas, corações, torres, pontes, estradas, bússolas, ilhas, quedas d’água e oceanos também formam a constelação dessa obra reconhecidamente autobiográfica e introspectiva. Mas é na figura da montanha e do vulcão que residem as grandes revelações desta exposição.

E o bordado “Truth Fiction”
E o bordado “Truth Fiction”

Uma sala inteira é dedicada à iconografia da montanha. Um conjunto dessas representações foi selecionado e organizado no centro do espaço expositivo, configurando o coração de toda a obra. Em suas abordagens das montanhas, o artista de fato se refere aos grandes temas que lhe foram caros: os movimentos de ascensão e queda, a ousadia, o medo e, fundamentalmente, a coragem para viver suas paixões e para enfrentar a Aids. Os trabalhos que realiza no final de sua vida, entre os anos de 1990 e 1993, quando se aprofunda no uso de tecidos e bordados, são tratados como os mais intensos e maduros de toda a obra.
A exposição se consolida com “Boa Viagem”, vulcão de terra batida construído em Fortaleza, em 1986, para a exposição “Esculturas Efêmeras”, organizada pelo artista cearense Sérvulo Esmeraldo. Reconstruída por primeira vez, a escultura é a mais perfeita representação das inúmeras forças contidas e ocultas reveladas na exposição.

ROTEIROS
A história e o futuro do olhar

MUSEU DA FOTOGRAFIA FORTALEZA (MFF)Rua Frederico Borges, 545, Fortaleza

Hoje todo o mundo é fotógrafo. Com essa premissa na cabeça e uma coleção de 2 mil imagens na mão, o casal Paula e Silvio Frota abriu na semana passada o Museu da Fotografia Fortaleza (MFF), instituição inteiramente dedicada à fotografia. Se não for o único no Brasil, o MFF é sem dúvida o mais completo. O acervo abrange um arco de 200 anos, dos primórdios da técnica ao que há de mais novo em arte contemporânea.

O edifício de 2,5 mil m2 foi inaugurado no sábado 11 com um recorte de 400 obras do acervo, realizado pelo curador Ivo Mesquita, ex-diretor da Pinacoteca de São Paulo. Os três andares do museu foram ocupados por quatro exposições que mostram a pluralidade dos usos da fotografia — no jornalismo, na etnografia, na arquitetura, na moda e na arte —, organizados sem hierarquias ou categorizações redutoras. Em cada um dos eixos da mostra, todos esses campos se relacionam e se acrescentam, formando discursos de grande riqueza e densidade.

A exposição inaugural do museu mostra um equilíbrio saudável entre obras icônicas de grandes fotógrafos — como a “Garota afegã”, de Steve Mc Curry, primeira imagem comprada pelo casal, há 9 anos — e obras de artistas contemporâneos pouco conhecidos do grande público, assim como obras em vídeo e novas técnicas, que representam, segundo Silvio Frota, “o futuro da fotografia”.

Há grandes pérolas expostas, como o bando de Lampião clicado na série “Cangaço”, por Benjamin Abrahão, ou a série que o fotógrafo de guerra Gabriel Chaim realizou na Síria. Entre os segmentos da exposição, um núcleo dedicado à infância aponta para o foco da instituição na formação de novas gerações. O museu terá um projeto educativo itinerante para levar a arte da fotografia para alunos da rede pública, para populações do interior do estado e comunidades indígenas. PA

COLEÇÃO A fachada do MFF e fotos de Marcel Gauterrot, José Albano, Rogério Assis e Otto Stupakoff