Edição nº2480 23.06 Ver edições anteriores

Vale a pena comprar o carro mais vendido do Brasil?

O Chevrolet Onix tem uma vantagem superior a 25 mil carros sobre o Hyundai HB20, o vice-líder (Foto: Divulgação)
O Chevrolet Onix tem uma vantagem superior a 25 mil carros sobre o Hyundai HB20, o vice-líder (Foto: Divulgação)

Assim como o Palmeiras no futebol, o Chevrolet Onix é o campeão antecipado da temporada da indústria automobilística. Faltando apenas um mês para fechar 2016, o Onix tem uma vantagem superior a 25 mil carros sobre o Hyundai HB20, o vice-líder. A média de vendas do Onix é de 12,3 mil carros/mês; a do HB20 é de 9,9 mil. Portanto, é uma diferença impossível de tirar e a General Motors já pode mandar fazer a faixa de bicampeão para seu hatch compacto.

E não foi um título qualquer. O Onix chega ao bi com um desempenho melhor do que teve no ano passado. Esse ano, o carro passou pelo seu primeiro face-lift e se tornou ainda mais competitivo. Sem dormir sobre os louros da vitória, a GM soube melhorar seu modelo campeão na hora certa. Assim, além de dar fazer algumas modificações estéticas, deu ao Onix dois novos motores (1.0 e 1.4), lançou uma versão aventureira (Onix Activ) e criou uma nova versão de entrada (Onix Joy).

O Onix ficou mais potente e mais econômico, subindo para nota A de consumo na classificação geral do Inmetro em quase todas as versões, além de conseguir o selo de eficiência energética do Conpet. Para além disso, a GM fez um upgrade na central multimídia MyLink e introduziu no modelo o sistema On Star (assistente pessoal ao condutor em tempo real).

O Chevrolet Onix é fabricado em Gravataí (RS) e caminha rapidamente para atingir 600 mil unidades produzidas desde seu lançamento, em 2012. O reposicionamento da linha Chevrolet em 2016 também transformou o Onyx Joy no carro mais barato da marca (R$ 39.590). Assim, a GM ganhou tempo e não precisa entrar correndo na aventura da produção de um modelo de entrada subcompacto, como era o plano inicial. A Volkswagen e a Fiat não tiveram a mesma sorte e ainda sofrem com as vendas modestas do Up e do Mobi.

Muitas vezes um carro ganha a liderança do mercado por causa de suas vendas diretas, aquelas que são feitas para frotistas, taxistas e governos. Um contrato com uma grande locadora pode significar a salvação para alguns. Mas não foi isso que aconteceu com o Onix. Seu desempenho de vendas é bastante equilibrado entre atacado e varejo.
O bicampeão brasileiro de vendas é líder nos dois quesitos. Na comercialização direta, o Onix teve 38,5 mil unidades vendidas, contra 29,7 mil do HB20. Nas concessionárias da rede Chevrolet, o Onix alcançou 96,4 mil vendas, enquanto o HB20 somou 81,8 mil nas revendas Hyundai. Um desempenho impressionante, se considerarmos que o Onix não é exatamente barato. Além da versão Joy 1.0, o carro tem mais uma versão 1.0 LT de R$ 44.890 e três versões 1.4 (LT, LTZ e Activ) de R$ 49.890 a R$ 57.490.

Se você olhar com uma lupa, pode encontrar no mercado carros mais interessantes do que o Onix, dependendo de suas necessidades de uso e de sua disponibilidade financeira. Mas não resta dúvida: o Onix é, sim, uma boa compra.
Quem quer um carro compacto para rodar na cidade, tem nas versões 1.0 opções econômicas e relativamente acessíveis. Quem precisa usar o carro na cidade e na estrada, encontra nas versões 1.4 uma mistura de agilidade e economia no trânsito urbano com desempenho honesto nas viagens. E para quem busca versatilidade em um hatch compacto mais bem equipado, o Onix Activ entrega esse algo mais.

Assim se faz um líder. Da mesma forma que o Palmeiras foi corrigindo seus pontos fracos ao longo do campeonato, a GM soube melhorar seu carro-chefe quando sua liderança era mais folgada. Por isso ele é bicampeão antecipado.

chevrolet_onix_1_1280x720

 


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.