Edição nº2484 21.07 Ver edições anteriores

Sem o Brasil, o G-20 virou G-19

Nos próximos dias 7 e 8 de julho, quando os líderes das nações mais ricas do mundo se encontrarem em Hamburgo, na Alemanha, uma ausência será notada. Pela primeira vez, desde que o G-20 foi criado, em 1999, para incluir os países emergentes nas discussões sobre os rumos da economia global, o Brasil não estará presente. Denunciado por corrupção passiva, Michel Temer ficará em Brasília, cuidando das articulações para que sobreviva politicamente.

Essa ausência é um vexame em escala planetária. Fará com que o mundo inteiro perceba que, simbolicamente, o Brasil simplesmente desapareceu do mapa global. Na imprensa internacional, assim como na comunidade acadêmica, é praticamente consensual a visão de que o Brasil desperdiçou seu peso geopolítico ao embarcar numa aventura política – a dos golpes parlamentares – que tinha apenas dois antecedentes recentes na América Latina: Honduras e Paraguai.

Coincidência ou não, líderes internacionais passaram a evitar o Brasil em seus giros internacionais. Foi o que aconteceu recentemente, por exemplo, com a chanceler alemã Angela Merkel. O Papa Francisco também deixou claro que não pisará em solo brasileiro enquanto a democracia não for restabelecida.

Esse desprestígio internacional custa muito caro e a elite nacional ainda não se deu conta dos prejuízos causados ao País por esse rebaixamento na cena global. O Brasil, antes tido como bola da vez, passou a ser visto como uma ave exótica, que decidiu sabotar seu próprio futuro. Não por acaso, o País despencou em todos os rankings de investimento internacional, desde que esse processo autofágico se iniciou.

O mais triste, ao ver o Brasil de fora de uma cúpula do G-20, é lembrar dos esforços diplomáticos do Itamaraty para que este foro – e não mais o G-7 – se tornasse o principal palco de debates sobre a economia internacional. No período que se seguiu à crise financeira de 2008, o Brasil era saudado como o integrante do G-20 que melhor respondeu à débâcle, com menos impactos no PIB e no emprego.

Resta, agora, sonhar para que esse seja apenas um breve hiato na história do Brasil, um país que, de admirado, se converteu numa vergonha planetária.

A elite brasileira ainda não se deu conta dos prejuízos de longo prazo causados pelo rebaixamento do País na cena global


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.