Edição nº2480 23.06 Ver edições anteriores

O que move hoje a elite política

Há uma única lógica: salve-se quem puder. A economia, o fim do modelo político, nada disso parece importar

Os áudios do novo homem-bomba de Brasília, Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro, revelam o fator psicológico que hoje move a classe política em Brasília. Há, em praticamente todos os atores relevantes, uma preocupação central, que é preservar o próprio pescoço. Para salvar o seu, Machado tratou de comprometer seus padrinhos no PMDB e também políticos da oposição em suas gravações que começaram a vazar nos últimos dias.

De todos os alvos, o mais explícito foi o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que falou da necessidade de “estancar a sangria”, referindo-se claramente à Operação Lava Jato. Sua fala fortalece a tese de que a presidente afastada Dilma Rousseff caiu porque não conseguiu oferecer proteção à oligarquia política que manda no País. O ponto é que, depois dos áudios de Machado, o presidente interino Michel Temer, mesmo que queira, terá pouca margem de manobra para “estancar essa sangria”.

Esse cenário de incerteza, quando o Brasil se vê a pouco mais de dois meses de sediar a Rio 2016, amplia a crise política e mantém a paralisia econômica. Como Temer ainda é interino, reformas estruturais, como a da Previdência, já foram adiadas. E como os grampos agora atingem o PMDB, Dilma e seus aliados ainda tentam virar votos no Senado, alegando que houve desvio de finalidade no processo de impeachment.

O ponto central é que o Brasil, depois da votação de 12 de maio no Senado, ainda não se estabilizou. E nada indica que o terremoto esteja perto do fim. Nesse ambiente incerto, volta a ganhar corpo a tese de que só novas eleições colocariam o País de volta nos trilhos. Mas de nada adianta pensar em novas eleições se, antes, não houver um pacto político sobre qual será o modelo de governabilidade. O presidencialismo de coalizão, em que o Executivo é extorquido pelo Legislativo em troca de apoio parlamentar, foi implodido.

Enquanto praticamente todos os políticos pensam apenas na sua salvação individual, o Brasil desmorona e corre o risco de chegar àquele que seria seu grande evento, a Rio 2016, numa vergonhosa convulsão social.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.