Edição nº2467 24.03 Ver edições anteriores

O irresistível charme dos populistas

Até mesmo os mais esclarecidos não resistem à promessa de uma vida melhor sem sacrifícios. Populistas prosperam explorando muito bem nossas raivas, medos e frustrações. Carismáticos, eles estimulam o culto às suas figuras de salvadores da pátria. Para reconhecê-los é só verificar se surgiu algum movimento batizado em sua homenagem – como Getulismo, Peronismo, Macartismo, Kirchnerismo, Chavismo, Malufismo, Lulismo ou, mais recentemente, Trumpismo. Populistas não têm ideologias. Eles as manipulam em benefício próprio. O que os distingue de outros políticos são a capacidade de diagnosticar a dor de muitos e de prescrever tratamentos indolores, porém tão eficazes quanto um tiro na testa.

A receita para salvar a nação e sua população é sempre parecida. Começam taxando produtos estrangeiros e impedem a entrada de imigrantes para “proteger empregos e segurança de seus cidadãos”. Em seguida, aumentam gastos do governo com políticas sociais, funcionalismo e/ou infraestrutura. A população sentirá inicialmente que sua vida melhorou. Para garantir ainda mais crescimento econômico e apoio político, distribuem isenções fiscais.

Eles têm a capacidade de diagnosticar a dor de muitos e de prescrever tratamentos indolores, tão eficazes como um tiro na testa

Para terminar, demonizam as minorias. São os famosos culpados de sempre . Gente que quer impedir o “progresso”
que o iluminado vai trazer. Seus demônios favoritos são “as elites”, os chineses, mexicanos, muçulmanos, judeus, homossexuais, negros, asiáticos, latinos….

Pronto. O Populista vai curtir alguns anos de euforia com sua poção mágica. Os estímulos aceleram o crescimento e aumentam o bem estar, gerando confiança, o que impulsiona ainda mais a economia.

Alguns anos depois – ou diversos se as condições externas o ajudarem – a conta chega. Preços dos produtos e custos de produção aumentam com sobretaxa a produtos importados e salários mais altos, alimentando a inflação. Isso causa alta dos juros e redução do crédito, limitando consumo e investimentos e piorando os resultados das empresas, o que as leva a demitir funcionários. Mais desemprego e menos consumo causam mais desemprego, em um círculo vicioso. Gastos públicos e menos arrecadação de impostos provocam um déficit fiscal descontrolado, minando a confiança no governo em honrar seus compromissos, causando fuga de capitais e uma crise financeira, aprofundando a recessão. Para completar, pipocam os escândalos de corrupção, frutos da relação distorcida entre governo e setor privado.

Qualquer semelhança com o legado da “Nova Matriz Econômica” Dilmista não é mera coincidência… nem c00om o que está sendo construído pelo “Make America Great Again” de Donald Trump.

 


Mais posts

Ver mais

Recomendadas

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.