Edição nº2487 11.08 Ver edições anteriores

O hipnótico “G T’Aime” de Geanine Marques

Geanine Marques e Rodrigo Bellotto: musa de Herchcovitch traz influências dos anos 80 em disco do selo Joia Moderna, do DJ Zé Pedro (Foto: Claudia Guimarães)
Geanine Marques e Rodrigo Bellotto: musa de Herchcovitch traz influências dos anos 80 em disco do selo Joia Moderna, do DJ Zé Pedro (Foto: Claudia Guimarães) (Crédito:Claudia Guimarães)

“G T’Aime” é novo e classudo trabalho da cantora e compositora Geanine Marques. Musa do estilista Alexandre Herchcovitch, ela compôs quase todas as músicas do CD em parceria com o artista multimídia Rodrigo Bellotto, que entre outras façanhas foi artista residente do programa de tecnologia LAB MIS, do Museu da Imagem e do Som de São Paulo. No disco, ela canta e toca teclados. Ele, violão e guitarra. Completam a banda o também guitarrista Danilo Costabile e baterista Ricardo Athayde. Apesar de o título sugerir uma coleção de “chançons d’amour”, as 10 faixas de “G T’Aime” falam de amor em inglês (em alguns trechos, também em português). Nenhuma delas foi composta para virar hit – e por isso mesmo a audição faz bem – mas há um certo grau de hipnotismo em cada faixa. A sonoridade da dupla traz ecos dos anos 80 e foi trabalhada no capricho pelo produtor Maurício Takara, conhecido por trabalhos com os grupos Hurtmold, Coletivo Instituto, São Paulo Underground e Puro Osso, além de seu trabalho solo e de parcerias com o Baobá Stereo Club e Naná Vasconcelos, entre outros. O disco sai até o final do mês pelo selo Joia Moderna, do DJ Zé Pedro. Enquanto isso, você pode ouvir alguns dos trabalhos anteriores de Geanine Marques na playlist “Sons da Semana” de ISTOÉ Música.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.