Mundo

Merkel se aproxima do quarto mandato, mas falta conhecer os aliados

Merkel se aproxima do quarto mandato, mas falta conhecer os aliados

A chanceler alemã, Angela Merkel, no salão do automóvel de Frankfurt - AFP

Uma nova vitória da chanceler alemã, Angela Merkel, nas eleições legislativas de 24 de setembro parece inevitável, mas nem tudo está definido: falta conhecer com que coalizão a democrata-cristã governará nos próximos anos.

Para não conquistar o quarto mandato consecutivo, a chanceler conservadora, com uma grande liderança nas pesquisas, teria de cometer um “erro político gigantesco” antes das eleições, afirma a revista Der Spiegel.

A pesquisa mais recente, do instituto Forsa, dá aos conservadores – da União Democrata-Cristã (CDU) e seu aliado bávaro União Social-Cristã (CSU) – 37% das intenções de voto. Este é o pior resultado da coalizão em quatro meses. Ainda assim, permanece muito à frente dos social-democratas de Martin Schulz (23%).

O ex-presidente do Parlamento Europeu, que no início do ano levou alguns a acreditarem que teria a capacidade de mobilizar o eleitorado, não conseguiu impor sua visão sobre justiça social, central em sua campanha, em um país em pleno crescimento e com a menor taxa de desemprego desde a reunificação.

Além disso, Merkel, que governa a maior economia da Europa há 12 anos, apresenta-se como a fiadora da estabilidade diante das várias crises que existem no mundo e não assume qualquer risco.

“Na minha visão, a formação do governo será mais emocionante do que a votação em si, pois existem muitas possibilidades e todas complicadas”, comentou o cientista político Oskar Niedermayer, da Universidade Livre de Berlim.

Os conservadores não devem conquistar a maioria absoluta, o que os obrigará a formar uma coalizão.

Merkel, de 63 anos, rejeitou qualquer aliança com os extremos: o partido de direita anti-imigração AfD (Alternativa para a Alemanha), que deve conquistar cadeiras na Câmara dos Deputados, e a esquerda radical (Die Linke).

Esses dois partidos disputam o terceiro lugar nas eleições, segundo as pesquisas, que indicam algo por volta dos 10% das intenções de voto para ambos.

Depois de oito anos de coalizão entre a CDU-CSU e os social-democratas do SPD (2005-2009 e 2013-2017), os alemães aspiram em sua maioria a uma aliança entre os conservadores e os liberais do Partido Democrático Livre (FDP), revela o instituto Insa.

– Nova aliança CDU-CSU-SPD? –

Mas o pequeno partido liberal, que ficou fora do Parlamento em 2013, tem apenas 8% das intenções de voto e governar com seu líder, o carismático Christian Lindner, pode ser problemático.

Lindner pede o fim das sanções contra a Rússia adotadas desde a anexação da Crimeia e rejeita, categoricamente, as propostas francesas de reforma da zona do euro – em particular, a de um orçamento europeu, considerada por ele uma tentativa de agrupar as dívidas dos países da região.

Angela Merkel não descartou a possibilidade de abrir espaço para os Verdes em uma coalizão a três, algo inédito em nível nacional. A pretensa coalizão já foi batizada de “Jamaica” pelas cores dos partidos.

“É muito difícil prever a futura coalizão”, afirma Timo Lochocki, do German Marshall Fund.

“Ainda mais quando 25% dos eleitores alemães ainda não sabem em quem votarão”, complta Lochocki.

Uma nova coalizão entre conservadores e social-democratas é a opção mais simples e sinônimo de continuidade na política alemã, tanto em nível nacional quanto internacional.

Não seria, porém, conveniente para um SPD em plena crise existencial.

O partido mais antigo da Alemanha sai exausto da aliança com Merkel, para quem foram os “inocentes úteis” ao impor ideias – como o salário-mínimo – pelas quais a chanceler carrega a fama atualmente, destaca a “Die Zeit”.

E existe um grande risco de ver “um novo avanço do AfD”, afirma a revista. O partido catalisa o voto de protesto no país: muitos alemães não se beneficiam do crescimento e ainda viram uma queda em seu padrão de vida.

Com a chegada do partido anti-Islã e contrário ao euro ao Bundestag, um debate de tom nacionalista entrará no Parlamento, pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial, teme a imprensa.

“É parte de nossa realidade política e social”, afirmou o ministro da Justiça, o social-democrata Heiko Maas.

“Devemos aceitar”, resignou-se.