Comportamento

Irmão de Ban Ki-moon é acusado de suborno nos EUA

Irmão de Ban Ki-moon é acusado de suborno nos EUA

(Arquivo) O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon - ONU/AFP

Promotores dos Estados Unidos acusam um irmão e um sobrinho do ex-secretário-geral da ONU Ban Ki-moon por tentar subornar um funcionário do Oriente Médio em um negócio imobiliário em Hanói envolvendo 800 milhões de dólares.

Os denunciados são Joo Hyun Bahn, corretor de imóveis de Manhattan, e seu pai, Ban Ki Sang, um alto executivo de uma empresa sul-coreana de construção, segundo o processo, revelado nesta terça-feira.

Ban Ki Sang é irmão do ex-secretário-geral da ONU Ban Ki-moon, que entregou o cargo ao português Antônio Guterres no dia 1º de janeiro.

Segundo os promotores, a conspiração internacional de suborno ocorreu entre março de 2013 e maio de 2015 envolvendo a venda de um complexo residencial e comercial em Hanói, construído pela sul-coreana Keangnam Enterprises.

O plano previa vender o complexo a um funcionário de um reino não identificado do Oriente Médio, que utilizaria um fundo soberano de investimentos. Supostamente, houve uma tentativa de contatar o chefe deste Estado quando se encontrava em Nova York para a Assembleia Geral da ONU.

Pai e filho teriam acertado pagar um suborno inicial de 500 mil dólares, transferidos para uma conta de Nova York a partir da Coreia do Sul em abril de 2014, que seria seguido por outro pagamento, de dois milhões de dólares, após a conclusão do negócio.

Mas um intermediário do negócio, o americano Malcolm Harris – também denunciado – embolsou o suborno inicial de 500 mil dólares e a transação não se concretizou, provocando a falência da Keangnam Enterprises.

Joo Hyun Bahn e Ban Ki Sang foram denunciados por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e conspiração.