Cultura

Extravagância espacial

“Valerian e a Cidade dos Mil Planetas”, do diretor francês Luc Besson, é uma aventura de ficção científica deslumbrante, mas fracassou nos EUA talvez por ser criativa — e europeia — demais para Hollywood

Crédito: Divulgação

PAIXÃO Os agentes Valerian (Dane DeHaan) e Laureline (Cara Delevingne) em um planeta destruído que tentam recuperar. O filme de Luc Besson se baseia em uma HQ cult que ele lia quando criança (Crédito: Divulgação)

O filme “Valerian e a Cidade dos Mil Planetas” realizou o sonho de infância do diretor francês Luc Besson de levar às telas os quadrinhos cult dos anos 60 com tecnologia de geração de imagem digital (CGI) e o orçamento mais caro da história do cinema da da Europa: US$ 177,2 milhões. Mesmo assim, a aventura francesa fracassou nos Estados Unidos: arrecadou US$ 36,5 milhões nas 3.500 salas onde estreou, em 21 de julho. No resto do mundo, a história do casal de jovens que tenta restaurar o meio-ambiente e a cultura de uma civilização alienígena anda conquistando novos seguidores. Arrastou 1,5 milhão de franceses aos cinemas e aposta em uma carreira razoável no Brasil, onde acaba de estrear. Até a semana passada, a produção havia arrecadado US$ 88 milhões fora dos EUA.

Luc Besson (Crédito:Divulgação)

Na realidade, o longa-metragem de vertiginosas 2 horas e 17 minutos não se enquadra no gosto americano estereotipado — que virou o perfil do consumidor mundial médio de cinema. Nem mesmo o fato de ter sido rodado em inglês e as presenças de dois mitos americanos — a cantora Rihanna como a stripper Bubble ou o jazzista Herbie Hancock como Ministro da Defesa — foram suficientes para romper o bairrismo da audiência local. O filme foi um fiasco talvez por se mostrar excessivamente imaginoso — e europeu — para os padrões da cultura pop vendida por Hollywood.

Humanismo

“Não me preocupo com a reação das plateias americanas”, disse Besson em entrevista concedida em São Paulo, onde esteve na semana passada para encerrar a turnê de lançamento do filme. “Não se trata de um blockbuster de verão — o tipo de produto que já saturou o mercado. Este filme resulta de uma paixão.”

Divulgação

Paixão antiga

Aos 10 anos, Besson, hoje com 58, lia as histórias em quadrinho da revista parisiense “Pilote”. Adorava uma saga espacial ambientada no século 28 e protagonizada pelo major Valerian e a sargenta Laureline, agentes do espaço-tempo que viajam em missões a serviço do Império Galáctico, um governo nada americanizado: aberto e inclusivo, permite a livre circulação de mercadorias e seres de todos as galáxias. “Esse quadrinho humanista me fez decidir a fazer filmes”, afirma Besson. Como ele queria que seu primeiro filme fosse sobre Valerian, aproximou-se dos quadrinistas. “Só que o visual era tão repleto de detalhes, imaginação e excentricidades que não havia condições técnicas de filmar a história.”

Besson se diz fascinado até hoje por quadrinhos e ficção científica. Sua cinematografia, iniciada em 1981, comprova a afirmação e conta com sucessos, de “Nikita” (1990) a Lucy” (2014), passando pelo suspense “O Quinto Elemento” (1997), baseado na graphic novel de Jean Giraud e Jean-Claude Mèzière (de “Valerian”). A crítica americana chamou-o de “o melhor e o pior blockbuster de verão de todos os tempos”. Obteve um faturamento recorde de US$ 263 milhões para um orçamento enxuto de US$ 90 milhões — bem ao contrário de “Valerian”.

A parceria com Mézière serviu como teste inicial paracriar “Valerian”.“A história inspirou George Lucas em ‘Star Wars’ e James Cameron em ‘Avatar’”, afirma Besson. “Eles experimentaram processos que uso agora e antes eram inviáveis.”

Para materializar seu projeto de acoplar cultura pop, quadrinhos e futurismo, Besson revezou estadas em Paris e Los Angeles. Ele se baseou em uma história publicada na “Pilote” em 1971. Em nome da fidelidade à HQ original, contratou as três empresas mais avançadas em efeitos visuais: a Weta Digital, Industrial Light & Magic e a Rodeo FX. “Das 3 mil sequências do filme, 2.500 foram simuladas digitalmente”, diz Besson. “Com isso gastei quatro anos da minha vida. Mesmo que considerem o filme criativo demais, ou por isso mesmo, valeu a pena.”

HQ inspirou “Star Wars”
Os autores de “Valerian”, de 1967, criaram situacões parecidas com as da saga de George Lucas, de 1977

Divulgação

O desenhista Jean-Claude Mézière e o roteirista Pierre Christin criaram os esboços da HQ “Valerian” em 1965 em Salt Lake City. A história começou a sair na revista “Pilote” em novembro de 1967 e se prolongou até 1985. Foram 23 aventuras que, reunidas em três álbuns, venderam 2,5 milhões de exemplares e continuam a se popularizar. Dois volumes acabam de sair no Brasil. Em 1977, ao estrear “Star Wars”, a dupla descobriu que o diretor George Lucas havia se baseado em “Valerian”. Além do império intergaláctico análogo ao de “Valerian” e dos trajes mínimos da Princesa Leia parecidos com os de Laureline (acima), há monstrinhos simpáticos, um bar de ETs amistosos que bebem e jogam pôquer com os humanos, e Darth Vader, um líder que oculta o rosto desfigurado sob um elmo, como os membros da seita dos sábios de “Valerian”. “Todo criador se alimenta de influências”, afirma Christin. “George Lucas não foi diferente.”