Comportamento

Exagero da estética

O Brasil ocupa a segunda posição entre os países que mais realizam mudanças odontológicas no mundo. Como essa moda pode prejudicar o sorriso e a saúde bucal dos brasileiros

Crédito: Luisa Santosa

HARMONIA Celso Sanseverino no seu consultório: em defesa do natural (Crédito: Luisa Santosa)

“Orientamos os pacientes quanto à necessidade de um exame clínico minucioso, realizado por um profissional capacitado, para chegar a um bom resultado” - Josi Robaina, dentista
“Orientamos os pacientes quanto à necessidade de um exame clínico minucioso, realizado por um profissional capacitado, para chegar a um bom resultado” – Josi Robaina, dentista

A procura por mudanças estéticas odontológicas explodiu nos últimos anos. Uma onda iniciada com as celebridades, que foram atrás de técnicas avançadas de restauração, como a aplicação de lentes de contato para dentes, facetas e clareamento, se popularizou entre os brasileiros que desejam um sorriso perfeito. Entretanto, a demanda crescente preocupa especialistas em dentística, a área da odontologia que estuda a restauração bucal. Os dados registrados pela Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE) revelam um crescimento de 300% na busca por esses procedimentos entre os anos de 2014 e 2015, na região Sudeste. “Não há dúvidas de que existe uma indicação exagerada das lentes. E não é um tratamento indicado para todos”, afirma Marcelo Fonseca, fundador da SBOE. “Quando bem feitas, as técnicas podem trazer uma grande contribuição para os pacientes, que passam a se sentir melhor com sua imagem. Quando não, podem causar sérios prejuízos à dentição.” Para se ter ideia, apenas em São Paulo são aplicadas 28.500 lentes de contato mensalmente. No Rio de Janeiro, este número chega a quase 10 mil procedimentos por mês. Não à toa, o Brasil ocupa hoje a segunda posição entre os países que realizam mais mudanças estéticas odontológicas no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Os três procedimentos mais procurados pelas pesssoas que buscam tratamentos de restauração são aplicação de facetas e lentes de contato e clareamento. As facetas são próteses de porcelana fina – de 0,2 a 0,5 milímetros – aplicadas sobre o esmalte com uma cola especial, dente por dente. E as lentes de contato são ainda mais finas, e não precisam de desgaste dental antes de serem coladas. “Há um grande apelo estético para o uso dessas técnicas e existem profissionais no mercado sem a devida preparação, que acabam aplicando o material de forma incorreta”, diz Marcelo Giannini, dentista e pesquisador da Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade de Campinas (Unicamp), no estado de São Paulo. Além disso, o resultado muitas vezes não fica como o esperado. “Ninguém nasce com dentes tão brancos. É fora do natural”, afirma o dentista Celso Sanseverino, especializado em Estética Dental pela Universidade de Nova York.

2432-COMPORTAMENTO-DENTES-03
CLIQUE PARA AUMENTAR

Os tratamentos para aperfeiçoar os sorrisos evoluíram com o passar dos anos, atraindo cada vez mais brasileiros para os consultórios. Entretanto, por trás da oferta de dentes imaculadamente alvos e remodelados milimetricamente de forma harmônica com os rostos, existem riscos que podem passar despercebidos. “Como esses métodos utilizam a raspagem dos dentes, podem ocorrer danos à estrutura dental, desgastes excessivos, prejuízos à gengiva, infiltrações da peça e até provocar cárie”, afirma Giannini. Outro problema dessas aplicações é que a estrutura natural dos dentes é substituída por um material sintético. Nesse processo, após a raspagem é feita a colagem da cerâmica nos dentes. E nem todos os aparelhos utilizados são eficientes para a cimentação. Este é o local que se degrada ao longo do tempo, entre a resina e a dentição, e pode originar problemas no canal do dente.

Fonte: Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE) - CLIQUE PARA AUMENTAR
Fonte: Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE) – CLIQUE PARA AUMENTAR

A busca pela estética na odontologia sempre existiu. Porém, a evolução tecnológica possibilitou um avanço sem precedentes nessa área. Tanta modernidade colocou dentistas renomados em estado de alerta em relação às consequências — ainda desconhecidas. “O produto aplicado entre os dentes e a faceta se deteriora com o tempo e não sabemos qual o efeito dessas técnicas na saúde bucal no longo prazo”, diz Débora Ayala, especialista em dentística restauradora e implantodontia. Os procedimentos estéticos são indicados somente em casos específicos como, por exemplo, em pacientes com dentição profundamente manchada, quando os dentes foram quebrados em um acidente ou nasceram com uma anatomia diferente dos demais. “São tratamentos recomendados quando a unidade é favorável à inclusão da faceta, mas é fundamental fazer uma ponderação prévia”, diz a médica, que é membro da Academia Européia de Estética Odontológica. Também é preciso saber que, por trás do incentivo midiático e da divulgação em redes sociais, há uma série de contra indicações que devem ser levadas em consideração. “É um modismo lindo, mas as empresas que vendem esses materiais estão faturando em cima disso”, afirma Débora. Além disso, essas não são aplicações recomendadas para pessoas jovens. Hoje, existem outros procedimentos igualmente modernos que não mutilam tanto.

A vitrine onde os exageros estéticos são mais perceptíveis são as celebridades. Muitas aderiram às próteses e o resultado vem chamando a atenção – não necessariamente pela beleza. Os dentes ficam ultra brancos e com dimensões que não condizem com a proporcionalidade da face e da boca, fugindo completamente do seu estado natural. Mas apesar de todas as ressalvas, os especialistas não são contra as inovações, pelo contrário. Em muitos casos, o uso das facetas e das lentes de contato são necessárias, mas é preciso tomar cuidado com a diferença entre melhorar a aparência e mudar completamente, alertam. Dentistas lembram os atores Henri Castelli, Reynaldo Gianecchini e Malvino Salvador como exemplos de famosos que fizeram o procedimento e conseguiram manter a naturalidade. Há também o outro lado: aqueles que pecam pelo excesso, como o ator Alexandre Frota e os apresentadores Gugu Liberato e Adriane Galisteu. “O ideal estético existe. A gente pode melhorar a aparência, mas respeitando a individualidade de cada um, dentro do limite de proporcionalidade de cada paciente”, afirma Sanseverino.

O especialista em estética dental reconhece que a busca por um sorriso perfeito virou uma febre. Sente isso em seu consultório, inclusive. “Hoje a aparência dos dentes tem uma importância enorme na beleza do rosto”, diz Sanseverino. No entanto, existem outras técnicas que podem restaurar os sorrisos sem a necessidade de um procedimento tão caro, afirma. O custo da aplicação de lentes e facetas varia de R$ 2,5 mil a R$ 7 mil por dente. “Existe um mercado por trás da arcada perfeita. Se a moda é ter dentes cada vez mais brancos, eles vão fazer qualquer coisa para vender este modelo.” O secretário geral da Associação Brasileira, Marcelo Januzzi, observa que houve também um aumento na oferta de cursos preparatórios para este nicho. “Dentistas e técnicos de laboratório que se dedicam à odontologia estética têm se aperfeiçoado muito”, afirma. Para Débora, a formação acadêmica em outros países tem um nível de exigência mais elevado. “As universidades do Exterior têm um protocolo diferente e mais rígido do que o nosso”, diz ela. “Aqui temos dentistas mais marqueteiros do que profissionais.”

A alta demanda por tratamentos estéticos também foi percebida na clínica Lumina Smile, no Rio de Janeiro, que cuida de vários atores e modelos famosos. A rapidez na obtenção do resultado é um dos principais atrativos. “A odontologia evoluiu muito com a introdução digital no dia a dia, permitindo uma melhora nos diagnósticos de doenças, maior previsibilidade nos planejamentos e precisão nos tratamentos”, diz a dentista Josi Robaina. “Orientamos os pacientes quanto à necessidade de um exame clínico minucioso, realizado por um profissional capacitado, para chegar a um bom resultado.” Outro avanço é que atualmente as etapas antes terceirizadas a centros radiológicos e laboratórios podem ser realizadas nas clínicas. “O que temos hoje são pessoas com um alto grau de exigência estética e cabe a nós dosar isso, indicando tratamentos adequados. Não podemos deixar os pacientes agirem somente em função de vaidade.” Atualmente, o grande desafio da estética odontológica se resume a uma palavra: equilíbrio. Para Débora Ayala, que lançou recentemente o livro Esthetics in Dentistry (Estética na Odontologia, na tradução livre para o português), a busca exagerada pela estética no Brasil atingiu níveis elevadíssimos e, antes que consequências ainda mais desastrosas comecem a surgir, é preciso criar critérios mais rígidos para aplicação dos novos tratamentos. Afinal, exibir um sorriso de propaganda pode ser mais simples e menos arriscado do que se imagina.