Economia

Enfim, o PIB positivo

Após oito trimestres de quedas consecutivas, a economia volta a acelerar. Com a aprovação das reformas, o cenário pode melhorar ainda mais

Crédito: Ueslei Marcelino

"A nossa expectativa é que a economia crescerá a uma taxa moderada no primeiro trimestre" Henrique Meirelles, ministro da Fazenda (Crédito: Ueslei Marcelino)

Nos últimos meses, os especialistas passaram boa parte do tempo discutindo quando a economia brasileira voltaria a crescer.

Os defensores do apocalipse cravaram que, em 2017, o máximo que poderíamos almejar seria um cenário de estagnação. Outra25 ala afirmou que, avanço mesmo, só no segundo semestre. A boa notícia é que os otimistas venceram. Após oito trimestres de quedas consecutivas e depois de encolher 3,6% no ano passado, na mais longa recessão da história, o PIB finalmente apontou um caminho: para cima. Todas as projeções mostram que o resultado da economia será positivo no primeiro trimestre. Do lado do mercado, a expectativa é alta de 0,4% no primeiro trimestre do ano. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, espera um avanço de 0,7% a 0,8% ante o mesmo período de 2016. Enquanto os indicadores de setores como indústria, comércio e serviços oscilam, quem vai salvar a lavoura no início de 2017 é o campo. Segundo o banco Santander, a agropecuária será responsável por metade do crescimento econômico previsto para o País em 2017.

Safra-recorde

Após recuo de 6,6% no ano passado, o setor agropecuário já começou a colher neste ano aquela que deverá ser a maior safra da história. Segundo a mais recente estimativa do IBGE, o crescimento será de 26,2% em 2017, chegando a recordistas 233,1 milhões de toneladas. “Teremos um avanço robusto do agronegócio especialmente no segundo semestre”, afirma Felippe Serigati, professor da Fundação Getúlio Vargas. A ampliação na oferta de grãos e o aumento das exportações brasileiras – estimativas apontam um volume 18% maior nas vendas para o mercado internacional de soja e milho – também estimulam o setor de máquinas agrícolas. No primeiro bimestre de 2017, os negócios subiram 49,9% ante o mesmo período do ano passado, segundo dados da Anfavea, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores.

O grande entrave para a economia brasileira deslanchar de vez é o desempenho da indústria. É verdade que os sinais da recuperação já vieram. Nos três primeiros meses de 2017, a produção industrial subiu 0,6%, o primeiro resultado positivo para o período desde 2014. Se o indicador for analisado de forma isolada, ele não é tão positivo assim. Em março, houve queda de 1,8%. A exceção se dá no segmento automotivo, que vem alcançando os melhores resultados em 5 anos. Em abril, a produção de carros subiu 11,4%. “A melhora na indústria automobilística é importante porque beneficia toda a cadeia, dos materiais à distribuição”, diz o economista Gesner Oliveira, sócio da GO Associados. A oscilação da indústria, porém, preocupa o mercado. Há o temor de que, se esgotado o bônus agropecuário nos próximos trimestres, o resultado mais fraco do setor acarrete uma revisão da atividade econômica para baixo. “Corremos o risco de termos um número positivo e depois uma estagnação”, afirma Rogério Mori, professor da Fundação Getúlio Vargas e ex-Secretário-Adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda. “A recuperação começou, mas vai ser lenta.”

Na economia, uma coisa leva à outra. Se um indicador específico vai bem, ele alavanca outros. O fim dos resultados negativos se deve também à queda do nível de endividamento das famílias brasileiras. Segundo dados da Boa Vista SPC, a inadimplência do consumidor encolheu 4,4% no primeiro trimestre de 2017. “A chave da retomada vai ser quando esta tendência estiver consolidada. As famílias representam dois terços da demanda agregada do País e só vão voltar a consumir quando tiverem espaço no orçamento”, diz Rogério Mori. Otimistas, elas estão. Apesar de um leve recuo em abril, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da FGV está nos mesmos patamares de dezembro de 2014, quando a crise econômica ainda não havia estourado.

O que vem por aí

O maior temor diz respeito ao desemprego, que já afeta mais de 14 milhões de brasileiros. Segundo especialistas, o indicador deve apresentar resultados negativos até o terceiro trimestre. Para Mori, antes de voltarem a contratar formalmente, as companhias devem lançar mão de outros recursos, como o pagamento de horas-extras. “As empresas ainda estão se ajustando, têm bastante capacidade ociosa e muito estoque para vender e capitalizar”, afirma. O que também represa investimentos é a possibilidade de não aprovação das reformas do governo pelo Congresso. “Isso poderia levar, entre outras coisas, à queda da bolsa de valores e à alta do dólar. Uma situação dessa natureza colocaria em risco a inflação”, afirma o economista Gesner Oliveira. “Se for confirmada a vitória do governo, como temos visto na votação das comissões, há perspectiva de valorização da indústria”. Quando isso acontecer, a tragédia terá finalmente ficado para trás.

FOTOS: Friedrich Stark Ford/ Dirceu Portugal/Fotoarena/Folhapress/