Edição nº2492 15.09 Ver edições anteriores

Condenado, Lula deve subir nas pesquisas

É pouco provável que alguém tenha se surpreendido com a condenação do juiz Sergio Moro contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Era esse o capítulo final de uma tragédia que arrasta o Brasil para o precipício há mais de três anos e que, como toda novela, necessita de um último capítulo em que os “mocinhos” derrotam os “bandidos”. Curiosamente, a sentença saiu no mesmo dia em que foi divulgado o trailer do misterioso filme “A Lei é para Todos”, cujos patrocinadores são mantidos em sigilo. Vinte e quatro horas depois, Lula disse que seus algozes estavam condenados a condená-lo – uma vez que prisioneiros da narrativa que criaram – e reivindicou uma nova candidatura à Presidência da República.

Esse é o quadro atual e indica que a crise brasileira ainda poderá se arrastar por mais tempo justamente porque tem como ponto central as emoções contraditórias em torno do mesmo personagem – a gratidão que muitos brasileiros sentem por Lula e a mistura de ódio e preconceito que outros tantos já sentiam por ele ou foram adestrados a sentir. Essa divisão não foi quebrada pela Lava Jato e o “caso Lula” não conseguiu criar um mínimo consenso na sociedade contra o ex-presidente. Ao contrário. Em todas as pesquisas, Lula se isola na dianteira.

O problema, para a direita brasileira, é que a sentença chegou num momento especialmente negativo. Lula, o mais popular presidente da história do Brasil, foi condenado à prisão na mesma semana em que Michel Temer, o mais impopular, conseguiu reverter um relatório adverso na Câmara dos Deputados, em que é denunciado por corrupção passiva. Se isso não bastasse, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), recordista de inquéritos na Lava Jato, foi salvo pelo Conselho de Ética da Casa. No PMDB, tanto o ex-ministro Geddel Vieira Lima como o “homem da mala” Rodrigo Rocha Loures, ambos da copa e cozinha de Temer, ganharam o direito de ir para casa.

Ou seja: a cada dia que passa, a sociedade brasileira enxerga com maior clareza a seletividade do Poder Judiciário. E se a Justiça tem lado, ela se torna imediatamente injusta – o que contribui para a narrativa de que Lula é, mais uma vez, vítima de perseguição política. Isso significa que as próximas pesquisas eleitorais devem indicar um impacto nulo ou até positivo para o ex-presidente também porque o regime atual tem-se mostrado incapaz de debelar a crise econômica. E, gostem ou não, a única lembrança de tempos felizes na economia, para a grande maioria da população, é o governo Lula.

Esse quadro cria um dilema para o País. De um lado, uma parcela da direita irá pressionar os três desembargadores do TRF-4 para que condenem rapidamente Lula e o inabilitem politicamente. Mas o Brasil será mais uma vez humilhado se os votos dos três juízes se sobrepuserem aos anseios dos eleitores, depois que deputados e senadores decidiram rasgar os 54 milhões de votos da presidente Dilma Rousseff. A única saída capaz de devolver a esperança ao Brasil – e também de tirar essa batata quente do Judiciário – é antecipar as eleições presidenciais. E se Lula tiver que ser batido, que o seja nas urnas.

 


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.