Edição nº2467 24.03 Ver edições anteriores

Carandiru eleitoral

A violência marca as eleições de 2017, as primeiras após o impeachment de Dilma Rousseff. Em Itumbiara (GO), o candidato a prefeito Zé Gomes (PTB) foi assassinado na quarta-feira 28 numa carreata, dois dias depois de o candidato a vereador e presidente da Portela, Marcos Vieira de Souza (PP), ser morto em seu comitê, no Rio de Janeiro. No País que sediou os memoráveis Jogos Olímpicos 2016, ao menos 20 pessoas foram eliminadas das campanhas eleitorais na base da bala, desde agosto. Em São Gonçalo (RJ), homens armados impediram a circulação do jornal Extra, que trazia denúncias contra um candidato a vereador pelo PMDB.

As motivações desses crimes bárbaros contra a vida e a democracia ainda precisam ser esclarecidas, mas é evidente que eles simbolizam o lamentável faroeste em que se tornou a política brasileira. Em muitas cidades, sobram acusações de corrupção, incompetência e improbidade administrativa entre os principais candidatos e faltam propostas concretas e factíveis para melhorar a vida dos cidadãos. São eles que sofrem na pele as balas certeiras dos escândalos dos governos municipais, estaduais e federal nos últimos anos: recessão, desemprego, precariedade na saúde, na educação e nos transportes. São eles que têm dúvidas sobre quais candidatos estão do lado da lei e do povo e quais são meros criminosos prontos para roubar o dinheiro público por mais quatro anos. Muitos eleitores indignados, ao exercerem o poder das urnas em 2 de outubro, votarão em novatos na política somente por isso, como se a experiência fosse um mal a ser expurgado, em vez de valorizado.

“Os recentes crimes bárbaros contra a vida e a democracia
simbolizam o lamentável faroeste em que se tornou a política brasileira”

A Operação Lava Jato, nesse aspecto, contribui para a moralização da política no País ao desmontar esquemas de corrupção e financiamento eleitoral e prender políticos, empresários e gestores públicos que saquearam a Petrobras. Mas quantos escaparão da Justiça e seguirão impunes? Onde está a justiça num País que rasga a Constituição ao fatiar a sentença do impeachment para preservar os direitos eleitorais de alguns políticos acusados de crimes? Onde está a justiça num País em que seguem livres os policiais militares condenados pelo massacre dos 111 presos do Carandiru, há 24 anos? Com o perdão da comparação, candidatos de vários partidos que assassinaram a ética sofrerão uma chacina nas urnas nesse final de semana. E outros suspeitos serão eleitos. Restará a dúvida: fez-se justiça?


Mais posts

Ver mais

Recomendadas

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.