Economia

Bolsas de NY fecham perto da estabilidade com agenda fraca e balanços em foco

As bolsas de Nova York encerraram o pregão desta segunda-feira, 17, praticamente inalteradas, em meio à agenda macroeconômica fraca e à espera de balanços corporativos.

Os índices Dow Jones e S&P 500 recuaram das máximas históricas obtidas na sexta-feira. Enquanto o primeiro terminou com recuo de 8,02 pontos (-0,04%), aos 21.629,72 pontos, o segundo cedeu 0,13 ponto (-0,01%), aos 2.459,14 pontos. Na contramão, o Nasdaq subiu 1,96 ponto (0,03%), para 6.314,43 pontos.

Analistas ressaltam que, em meio ao período de silêncio do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que divulga a decisão de política monetária no dia 26 de julho, as atenções vão se voltar somente para a agenda de balanços.

“Esta semana será sobre balanços, balanços, balanços e somente balanços”, afirmou o chefe de análise de mercados de capitais das Américas do Deutsche Bank Wealth Management, Nick Angilletta.

A Netflix informou após o fechamento dos mercados que o lucro líquido passou de US$ 40,76 milhões (US$ 0,09 por ação) no segundo trimestre de 2016 para US$ 65,60 milhões (US$ 0,15 por ação) em igual período de 2017. A empresa relatou ainda que o número de assinantes saltou 1,1 milhão de usuários domésticos e 4,1 milhões no estrangeiro. No after-hours em Nova York, as ações da Netflix subiam 9,96%.

Para esta semana estão previstos ainda os resultados do Bank of America Merril Lynch e Goldman Sachs (terça-feira), Morgan Stanley e Alcoa (quarta-feira) e Microsoft (quinta-feira).

No campo econômico, o único indicador relevante desta segunda-feira foi o índice Empire State de atividade industrial, medido pelo Fed de Nova York, que provocou poucas apostas. O dado passou de 19,8 em junho para 9,8 julho. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam recuo menor, a 15,0. Fonte: Dow Jones Newswires