Finanças

Bolsas asiáticas fecham sem direção única, após reunião do G-20

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta segunda-feira, com volumes de negócios reduzidos em meio a um feriado no Japão e investidores digerindo notícias da reunião do grupo das 20 economias mais industrializadas (G-20), encerrada no fim de semana.

Questões comerciais ficaram no foco do encontro de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, na cidade alemã de Baden-Baden, gerando temores na Ásia de que os EUA adotem postura cada vez mais protecionista sob o comando de Donald Trump.

No comunicado da reunião de dois dias, que terminou no sábado, o G-20, porém, afirmou estar “trabalhando para fortalecer a contribuição do comércio” para suas economias, mas não mencionou promessa anterior de rejeitar práticas protecionistas.

Em Tóquio, a bolsa não operou devido a um feriado nacional no Japão, o que restringiu a liquidez em outras partes da região asiática.

Na China, o Xangai Composto subiu 0,41%, a 3.250,81 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,31%, a 2.036,05 pontos, diante de especulação de que Pequim pode voltar a sustentar os mercados com recursos estatais. Em Hong Kong, o Hang Seng teve alta de 0,79%, a 24.501,99 pontos, tocando o maior patamar em 19 meses pelo terceiro pregão seguido.

Entre bolsas asiáticas menores, o índice sul-coreano Kospi caiu 0,35% em Seul, a 2.157,01 pontos, o Taiex ficou praticamente estável em Taiwan, com ganho marginal de 0,04%, a 9.912,97 pontos, e o filipino PSEi recuou 0,39% em Manila, a 7.316,57 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana interrompeu uma sequência de quatro sessões de valorização, após o comunicado do G-20, e o S&P/ASX 200 teve queda de 0,4% em Sydney, a 5.778,90 pontos. Com informações da Dow Jones Newswires.