Finanças

Bolsas asiáticas acompanham perdas da véspera em NY e na Europa e caem

Os principais mercados acionários da Ásia encerraram o pregão em queda, pressionados pelas perdas da véspera nas praças europeias e em Wall Street.

Na quinta-feira, a cautela que se abateu sobre os investidores se deveu à visão de que os bancos centrais globais estão começando a se preparar para o momento em que vão reduzir as políticas de estímulos monetários.

O movimento ganhou mais corpo após a divulgação da ata do último encontro do Banco Central Europeu (BCE), que mostrou alguns dirigentes já começam a considerar a discussão em torno do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês), que despeja bilhões de euros por mês nos mercados como forma de ajudar na expansão da atividade.

A perspectiva de enxugamento da liquidez global pesou sobre os negócios na Europa e nos Estados Unidos na quinta-feira. Na Ásia, por causa do fuso horário, as reações somente vieram na sexta-feira.

Na Bolsa de Sydney, o índice S&P/ASX 200 recuou 0,86%, para 5.703,60 pontos. Na semana, a queda foi de 0,31%. As mineradoras tiveram destaque particular, após o governo da Austrália divulgar a revisão de US$ 65,20 para US$ 62,40 do preço médio da tonelada do minério de ferro para este ano. Os papéis da Fortescue cederam 1,33% e da Saracen Mineral perderam 1,48%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng recuou 0,49% na sessão, para 25.340,85 pontos. Na semana, a baixa foi de 1,64%. Entre as principais perdas de hoje se destacam as de petroleiras, que acompanharam a queda de mais de 1,50% do petróleo. As ações da China Petro & Chemical cederam 1,31% e da CNOOC tiveram desvalorização de 0,81%.

A Bolsa de Seul caiu para 2.379,87 pontos, queda diária de 0,33% e semanal de 0,49%. A Bolsa de Taipei recuou para 10.297,25 pontos, perda diária de 0,68% e semanal de 0,94%.

Como pano de fundo, está a tensão geopolítica envolvendo a Coreia do Norte, que anunciou nesta semana o teste com um míssil intercontinental. Os Estados Unidos e a Coreia do Sul responderam com exercícios militares similares e o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) fez reunião para tratar do tema. Investidores aguardam os posicionamentos dos principais líderes mundiais hoje, durante a reunião do G-20, em Hamburgo (Alemanha).

Na contramão dos demais mercados, as bolsas da China tiveram leve alta. O índice Xangai Composto subiu para 3.217,96 pontos, com valorização diária de 0,17% e semanal de 0,79%. O Shenzhen Composto avançou para 1.918,13 pontos, ganho de 0,19% na sessão e de 1,07% na semana. (Com informações da Dow Jones Newswires)