Edição nº2467 24.03 Ver edições anteriores

A feminista amorosa

ady Mona é uma feminista moderna. Encontrei-a numa passeata contra o presidente, na qual me vi misturado por acaso: tinha ido dar uns tiros no stand ali perto. Paramos para trocar dois dedos de prosa:
– Você faz parte da marcha contra Trump?
– Ele é um machista!
– E Hillary, cúmplice do marido, um predador sexual?
– Ela é de esquerda.
– E a defesa da democracia?
– Não há democracia quando vence a direita!
– Você é democrata, desde que o resultado seja a vitória da esquerda? E o que acha daqueles caras quebrando tudo?
– Gostaria de ver alguém jogando uma bomba na Casa Branca!
– Nossa! Qual é a sua principal bandeira?
– Salários iguais!
– Você sabia que não há diferença de salários quando ajustamos por emprego, tempo de trabalho e produtividade?
– Está frio hoje.
– Seus peitos de fora não ajudam. Mas voltemos ao tema: se elas escolhem empregos mais flexíveis para investir na maternidade…
– Eis o problema! É um absurdo essa imposição da sociedade capitalista…
– Pensei que fosse “imposição” biológica, e que mulheres amassem essa dádiva.
– Só as submissas!
– Por falar em submissão, o que aquela muçulmana está fazendo ali? Pensei que vocês lutassem pelos direitos femininos…
– O Islã é a religião da paz. Nosso inimigo é o cristianismo.
– Mas não é no Ocidente cristão onde as mulheres gozam de liberdades e direitos?
– Que frio!
– E como são pelo direito das mulheres se não toleram as boas mães e esposas?
– Somos muito tolerantes. Desde que todas sigam nossa cartilha feminista.
– Sei. É por isso que aquela ali que condena o aborto está apanhando de um homem sob a conivência de vocês?
– Meu corpo, meus direitos!
– Pensei que o bebê também tivesse direitos…
– É só um ovo!
– Mas não foi você que fez um protesto em defesa do ovo das tartarugas?
– Isso é diferente. É uma vida animal que merece ser respeitada!
Nesse momento percebi que um grupo nos cercava, alguns com olhares ameaçadores. Um rapaz, com o símbolo da paz na camisa, disse, segurando um taco, que se eu não saísse logo dali, ia me arrebentar todo.
O clima ficou tenso, mas por sorte moro num país em que o cidadão de bem pode ter arma. Assim que ele viu minha pistola desistiu de me espancar e, em nome do amor, consegui ir embora ileso.


Mais posts

Ver mais

Recomendadas

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.