Copa 2010

Os tesouros de Pelé

O rei abre seus arquivos e revela, em livro, documentos, fotos raras e até histórias de amores que marcaram sua vida

Os tesouros de Pelé

img4.jpg
A POSSE
Coroado após o milésimo gol.
“Não aguentava mais esperar por
aquele maldito gol”, conta ele

selo.jpg

Pelé desfilou sua majestade em quatro Copas do Mundo. Venceu em três oportunidades. Na última delas, em 1970, o rei do futebol anotou gols de cabeça, de perna esquerda, de direita e de falta. Curiosamente, aqueles que ele deixou de marcar durante a campanha do tri, no México, são os mais lembrados. Encabeçam a lista o chute do meio de campo contra o gol da Tchecoslováquia, o cabeceio defendido pelo goleiro inglês Gordon Banks e a finta de corpo – popularmente chamada de drible da vaca – no arqueiro do Uruguai. Pelé, no entanto, não se lamenta por nenhum deles. A mácula em seu currículo é não ter conseguido fazer ao menos um gol de bicicleta em um Mundial. A revelação é feita na autobiografia ilustrada “Pelé – Minha Vida em Imagens” (Cosacnaify, R$ 140), que chega às livrarias na segunda-feira 24, na qual o ex-jogador tece inusitados comentários sobre sua história. “Preferia não ter marcado nenhum desses (que perdi), mas, sim, um de bicicleta”, escreve.

img5.jpg

Em “Pelé – Minha Vida em Imagens”, esta e outras jogadas imortalizadas pelo Rei estão registradas em cerca de 70 imagens. Raras, elas saíram do baú de Pelé diretamente para o prelo. Além do material fotográfico, a obra traz réplicas idênticas de dez documentos exclusivos. Estão encartados o ingresso do jogo de despedida (Cosmos x Santos, em 1977, no Giants Stadium, em Nova York), o selo comemorativo do milésimo gol, em 1969, um ofício da Casa Branca sobre a visita do craque ao então presidente americano Richard Nixon, em 1973, e a carteirinha da Liga Bauruense de Esportes, onde ele atuou como jogador pela primeira vez, em 1956.

img.jpg
ESTILO
Vestindo uniforme de goleiro
ou roupa da moda, o Rei não perde a pose

img7.jpg 

Mais do que apreciar as ilustrações, o livro merece uma leitura minuciosa, graças aos depoimentos de Pelé sobre suas passagens como atleta e cidadão do mundo. O mineiro de Três Corações mais famoso do planeta nasceu em casa, no dia 23 de outubro de 1940. Deixou o ventre da mãe, Celeste, “torto e magricela”, como descreve. Seu pai, Dondinho, logo quis saber o sexo do filho. Tio Jorge adiantou-se: “Ele é bem preto!” Ficou decidido que Pelé seria batizado Edson em homenagem ao inventor da lâmpada elétrica (Thomas Edison). Em sua certidão original de nascimento, porém, há dois fatos que o aborrecem até hoje. O nome – que foi grafado com “i” – e a data, 21 de outubro.
Edson, sem “i”, como ele gosta, virou Pelé por causa de Bilé, goleiro do time de Dondinho, que o Rei imitava quando criança. Só que, em vez de Bilé, o menino dizia ao agarrar um chute: “Grande defesa, Pilé!” Dico, como é chamado entre familiares, Gasolina e Crioulo são outros apelidos que acompanharam a trajetória do então franzino jogador, que, aos 16 anos, já brilhava no Santos. “Os treinamentos e a alimentação começaram a modificar o meu corpo. Depois de seis meses, minhas pernas ganharam tanta potência que cada coxa tinha a mesma circunferência da cintura”, diz.

img1.jpg
Em um amistoso na
Suécia, em 1960

No livro, Pelé comenta suas três despedidas – da Seleção, em 1971, do Santos, em 1974, e do Cosmos, em 1977. Sobre a última, relembra: “O campeão de boxe Muhammad Ali, ao me abraçar logo após o jogo, chorava e dizia: ‘Aqui estão dois dos maiores.’ ” Que Pelé foi o melhor de todos a jogar futebol, só os argentinos teimam em duvidar. Uma foto do Rei atuando como goleiro estampada no livro deixa claro que, se preciso, o brasileiro tinha habilidade para atuar nas 11 posições. “Tanto no Santos quanto na Seleção, sempre fui goleiro reserva. Joguei quatro vezes no gol pelo Santos e uma pelo Brasil.” Carlos Alberto Torres, capitão do tri, confirmou o fato para ISTOÉ: “Ele pegava pra burro no gol! O Crioulo era completo mesmo.”

img2.jpg
MEMÓRIA
A carteirinha da Liga Bauruense
e o selo do milésimo gol

img6.jpg

O Rei também caprichou nas linhas em que escreve sobre sua porção galã. “Lembro-me que as meninas de 14,15 anos viviam atrás de mim… aquelas garotas queriam mais os crioulinhos”, diz ele sobre as suecas, durante a Copa de 1958. “Cheguei a ter um pequeno flerte com uma esplendorosa chamada Llena, que era fascinada pela minha pele negra, enquanto eu era fascinado pelos seus olhos azuis e seu cabelo loiro.” Pelé faz questão, ainda, de registrar que namorou duas misses (Deise Nunes, em 1986, e Flávia Cavalcanti, em 1989). Ao falar da apresentadora Xuxa, outra ex, bate duro sem entrar em detalhes: “Um dos (relacionamentos) menos felizes.”

img3.jpg
MEMÓRIA
Uma refeição em família

Da pressão para alcançar o milésimo gol – “eu não aguentava mais esperar por aquele maldito gol!”, diz – à recordação de um tempo que não volta mais – “sinto saudade do sabor de manga madura que eu mesmo pegava na árvore do quintal”, conta –, o atleta do século rouba a cena mais uma vez com bastidores pouco conhecidos de sua trajetória. Eles revelam a porção carne e osso do mito. Que não perde um milímetro de sua majestade com o tempo.

Pelé - Minha vida em imagens

 

 

patrocinio.jpg