Economia & Negócios

Meirelles sob pressão

Prestes a lançar candidatura, o presidente do BC, Henrique Meirelles, é surpreendido por investigação de supostos crimes tributários

Meirelles sob pressão

chamada.jpg
MISTÉRIO
Nem Meirelles ainda sabe qual o teor da nova investigação

A cerimônia já está marcada. No dia 31 de março, o presiden- te do Banco Central, Henrique Meirelles, deixará o cargo para se candidatar às eleições de outubro. Em seu lugar deve assumir o diretor de Normas e Organização do Sistema Financeiro, Alexandre Tombini. Como adiantou a edição online de ISTOÉ Dinheiro na terça-feira 9, Meirelles, filiado ao PMDB, concorrerá ao Senado por Goiás ou à vice- presidência na chapa da ministra Dilma Rousseff. Mas seus planos podem mudar. No dia 4 de março, a Justiça Federal de Brasília encaminhou ao Supremo Tribunal Federal denúncia contra o presidente do BC por crime contra a ordem tributária. Por sorteio, a ação foi parar nas mãos do ministro Joaquim Barbosa, que repassou as 105 páginas do inquérito nº 2924 ao procurador- geral da República, Roberto Gurgel, ao qual caberá aprofundar as investigações ou recomendar ao STF o arquivamento do caso. Diante dos dados confidenciais de movimentação bancária, Barbosa determinou segredo de Justiça. A notícia sobre o inquérito no STF provocou um terremoto no Banco Central.

“Meirelles está surpreso e sereno. Ele já foi investigado amplamente no passado
e nada se provou contra o ministro”

Márcio Thomaz Bastos, advogado do presidente do BC

Meirelles, que nos próximos dias se reunirá com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para traçar seu destino político, não escondeu a perplexidade. Em nota oficial, informou que “tomou conhecimento do assunto pela imprensa”. Ressaltou também que “recebe com serenidade a notícia do pedido de abertura de inquérito, uma vez que foi amplamente investigado no passado, com o arquivamento de todas as acusações a ele imputadas”. Mas, pelo sim, pelo não, tratou de contratar o escritório de advocacia do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos para acompanhar o processo. Como primeira iniciativa, Thomaz Bastos pediu vista dos autos. Mas, na manhã da sexta-feira 12, o ex-ministro disse à ISTOÉ que ainda não conhecia o conteúdo da  denúncia. “O Meirelles está surpreso, mas absolutamente sereno. Ele já foi investigado exaustivamente. Nem o procurador conhece a denúncia. Por enquanto, é um mistério”, explicou Thomaz Bastos. Essa não é a primeira vez que o Ministério Público Federal atira em Meirelles. Desde que assumiu a presidência do BC, em 2003, ele foi alvo de investigações sobre evasão, irregularidades fiscais e até mesmo crime eleitoral.

img1.jpg

O procurador da República no Distrito Federal, Lauro Cardoso, chegou a acusar Meirelles de cometer desvios para ocultar uma fortuna de aproximadamente R$ 100 milhões. Também haveria movimentações financeiras bilionárias em nome das empresas offshore Silvânia One e Silvânia, bem como da empresa Silvânia Empreendimento e Participações. Procurador-geral da República à época, Cláudio Fonteles encaminhou ao STF pedido de investigação criminal contra Meirelles por crime contra o sistema financeiro nacional, a partir de fatos ocorridos quando ele presidia o BankBoston. Era abril de 2005 e Meirelles também disse que encarava “com tranquilidade e serenidade o pedido do Ministério Público”. O processo, de fato, correu a seu favor. No dia 10 de agosto de 2007, o inquérito nº 2206 foi arquivado pelo ministro Marco Aurélio Mello, a pedido do novo procurador-geral Antonio Fernando de Souza, que apontou “a inexistência de elementos suficientes”. Foi exatamente em razão das repetidas denúncias contra Meirelles que o presidente Lula, em 2004, decidiu dar ao presidente do BC o status de ministro de Estado. Dessa forma, ele ganhou direito a foro privilegiado e deixou de correr o risco de ser presa fácil de ciosos oficiais de Justiça. Ficou famoso, na década de 90, o episódio em que Gustavo Loyola, então presidindo o BC, teve que se esconder na sede da instituição para escapar da ordem de prisão de um juiz de primeira instância.

img.jpg

 

Para impedir cena semelhante, Meirelles foi devidamente blindado. Investigações sobre o presidente do BC só podem ser conduzidas pela Procuradoria-Geral, e não pelos primeiros escalões do Ministério Público. Isso explica por que o ministro Joaquim Barbosa entregou o atual inquérito ao procurador-geral Roberto Gurgel. “O caso está nas mãos do Gurgel. Ele é que vai decidir o encaminhamento”, explicou à ISTOÉ um ministro do STF. Com o inquérito correndo em segredo de Justiça, especula-se em Brasília que a denúncia novamente tem base no fabuloso patrimônio de Meirelles. Acontece que, ao pedir o arquivamento do inquérito nº 2206, o procurador Antonio Fernando deixou a porta aberta para investigações futuras, pois ressalvou “a possibilidade de formalizar-se outro (inquérito) ante a sobrevinda de novos dados”. O próprio Meirelles, na nota do BC, antecipou-se a seu advogado e procurou adivinhar o motivo da denúncia.

“O presidente do BC esclarece que o patrimônio formado durante sua vida profissional foi resultado de árduo trabalho, com todos os seus rendimentos e bens declarados aos órgãos competentes, na forma da legislação”, diz a nota. Meirelles ressalta que a maior parte de seu patrimônio “foi constituída quando trabalhava no Exterior, com a divulgação periódica de seus rendimentos”, de acordo com a legislação de mercado de capitais dos Estados Unidos. Se o faro fino de Meirelles funcionou, o novo inquérito deve ser mais do mesmo. E, até prova em contrário, não há por que duvidar da honestidade do presidente do Banco Central. Mas uma coisa é certa: entrou água no chope da festa da candidatura. 

Colaborou Hugo Marques