Eleições 2010

Palanque digital

Candidatos elegem o Twitter como a estrela da internet para se aproximar dos eleitores e multiplicar seus discursos

Palanque digital

img.jpg
TUITEIRA
Marina conta a seguidores até hábitos alimentares

selo.jpg

A pré-candidata do PV a presidente da República, Marina Silva, informou aos seus 6.467 seguidores no Twitter que não come carne vermelha, doces, frituras nem refrigerante. O pré-candidato do PSDB, José Serra, deixou claro para seus 170 mil seguidores que na correria do dia a dia abandona a vaidade. Em resposta a uma “tuiteira” preocupada com o bronzeado de sua careca, ele resumiu em menos de 140 caracteres: “Esqueço de usar protetor solar na minha ‘falta de cabelo’.” Os concorrentes ao Palácio do Planalto podem até adiar a estreia da campanha nas ruas, mas no ciberespaço a busca por votos começou e promete ser a grande aposta dos candidatos para conquistar os 68,5 milhões de eleitores que usam a internet – mais da metade dos 130 milhões de brasileiros aptos a votar no dia 3 de outubro. Ao lado do velho e-mail e das redes sociais mais famosas, como Orkut e Facebook ou mensagens de textos via celular, o Twitter é o mais sedutor instrumento eleitoral de 2010. Uma das explicações de especialistas é a sensação de proximidade e interatividade que sugerem ao eleitor uma intimidade com os políticos. No Twitter, eles falam de política, mas também comentam amenidades, como filmes e músicas.

No Brasil, o Twitter tem cinco milhões de usuários. Ou seja, há tuiteiros para eleger deputados, senadores e governadores. Embora a ministra Dilma Rousseff ainda esteja fora desta febre mundial, o PT já investiu alto na internet. Foram R$ 500 mil em equipamentos para um estúdio de rádio e webtv na sede nacional do partido para alimentar o “supersite” da candidata. Os tucanos contam com um dos políticos mais tuiteiros como candidato – a estimativa é de que Serra alcance 500 mil seguidores antes da eleição. Essa meta será estimulada pelo site “Mobiliza PSDB”. O pré-candidato do PSB, Ciro Gomes, tem dois perfis no Twitter, um com 2.500 e outro, de campanha, com 679 seguidores. O PV espera compensar na internet o prejuízo de só ter dois minutos diários no rádio e na tevê. Os 170 milhões de usuários de celulares no País também estão na mira dos partidos, depois do sucesso da campanha do presidente Barack Obama, que arrecadou milhões pela internet usando o torpedo como ferramenta auxiliar de doações. Apesar do entusiasmo dos partidos, os especialistas são céticos quanto ao sucesso deste palanque digital.

G_twitter_candidato.jpg

“O poder do Twitter não é de angariar votos, pois muitos dos seguidores já são apoiadores”, afirma Moriael Paiva, diretor da Talk Interactive, empresa especializada em conteúdo para internet. “Essas ferramentas não são plataformas fundamentais para a vitória de um candidato”, concorda o consultor de marketing eleitoral Carlos Manhanelli. “Pode não trazer votos, mas funciona como multiplicador do discurso”, diz Eduardo Graeff, da comunicação do PSDB. O Twitter, porém, aumenta os riscos. O senador Aloizio Mercadante (PTSP), no ano passado, na crise que quase derrubou José Sarney (PMDB-AP) da presidência do Senado, anunciou no Twitter que sua renúncia da liderança do PT no Senado era “irrevogável”, mas depois atendeu ao pedido do Palácio do Planalto e ficou no cargo. O vexame virou exemplo. Ao contrário.