Comportamento

A moda que está na cara

Depois de décadas em baixa, o bigode volta a fazer parte do visual dos jovens

A moda que está na cara

A cada dois ou três anos, eles ameaçam uma volta. Mas neste verão dão sinais de que vieram para ficar, pelo menos nesta temporada. Seja uma versão mais malandra, como a ostentada por George Clooney, seja o estilo fininho, estampado no rosto de Brad Pitt, está cada vez mais comum ver bigodes enfeitando jovens feições masculinas. Para a consultora de estilo Bia Kawasaki, eles ainda não tinham pegado para valer porque a aceitação é bem menor do que a das barbas e dos cavanhaques. “Mas algumas coleções seguidas de moda com inspiração latina encorajaram o uso”, diz Bia.

i88068.jpg

EM HOLLYWOOD E AQUI Rafael Zanatto (à esq.) e Wilson Mencaroni têm feito sucesso com o novo visual.
Abaixo, os “embaixadores” George Clooney e Brad Pitt

 O estudante de história Rafael Zanatto, 23 anos, já usava o adereço esporadicamente, mas amparado na tendência encabeçada pelos astros de Hollywood (Brad Pitt, inclusive, ensaiou um movimento pela volta do bigode), aderiu de vez. “O meu tem vida e morte, porque eu não consigo aparar e, às vezes, erro na hora de me barbear. Mas agora vou deixar indefinidamente”, diz Zanatto, que desenhou o seu inspirado no guitarrista Jimmy Hendrix. Vizinho e amigo de Rafael, o estudante de relações internacionais Wilson Noretti Mencaroni, 19 anos, também deixou o seu crescer. “Comecei a usar há algumas semanas. Na balada, fez sucesso”, garante.

Embora nunca tenham saído completamente de cena, os bigodes eram vistos somente no rosto de pessoas mais velhas. Mas a variedade de estilos e combinações permitidos hoje faz com que esse elemento não pese na aparência, a ponto de seu dono parecer um personagem. “Na verdade, ele ficou muito relacionado aos anos 70”, diz o stylist Rodrigo Polack, ele próprio um adepto. “O bigode voltou com uma outra cara, mais moderna. Não existe mais o visual de cafajeste de camisa aberta e corrente no pescoço”, completa. Outra referência que contribuiu para a tendência é a valorização do kitsch, presente, por exemplo, no seriado Betty, a feia. “O nerd ficou pop”, conclui.

Mas nem todos os homens ficam bem com o adorno. Como o bigode chama a atenção para o rosto, cai melhor em quem tem traços finos, como o produtor cultural Gabriel Dias Bertolim, 23 anos. “Combina com minha aparência e ajuda a passar uma imagem de alternativo, romântico”, diz. Boa desculpa para aderir à moda.