Tecnologia & Meio ambiente

Mais unidos pela web

A internet revoluciona a vida dos brasileiros que usam a tecnologia para estreitar os laços familiares

O casamento dos empresários paulistas Anderson e Marisa Batista terminou como terminam muitos casamentos ? pessoalmente, e um atirando ofensas no rosto do outro. Diferente é a forma como eles se reconciliaram tempos depois, a ponto de viverem novamente juntos ? pela internet. Pode até ser que aquilo que os olhos não vêem o coração não sente, mas que os e-mails aproximam, isso é um fato. Casamento desfeito, Anderson foi morar na casa dos pais e começou a procurar antigos amigos teclando pela internet. Dois meses após a separação, ele encontrou a ex-mulher online na sua rede de contatos do MSN, um dos meios de comunicação eletrônica instantânea. A saudade veio através da máquina e os dois iniciaram um diálogo virtual. Os contatos se estenderam por quase um mês, até marcarem um encontro. Casamento reatado, hoje se vê na casa de Anderson e Marisa um papel colado na porta da geladeira. Nele se lê: ?Se o tempo fechar, mande um e-mail?. A história desse casal espelha as mudanças de comportamento impostas pela internet nas relações familiares. Já houve dentro dos lares outros impactos tecnológicos que transformaram o funcionamento da família. Rádio e televisão, por exemplo, entraram no centro da sala quase hipnotizando todos os familiares. Mas nenhuma tecnologia foi tão inovadora quanto o computador. Ele virou o elo, a interface familiar. Hoje é comum, através da internet, os pais acompanharem a vida de seus filhos. Também se valendo dessa tecnologia, organizam-se tarefas domésticas, programa-se lazer, fazem-se compras, pagam-se contas, movimenta-se a conta bancária. É como se a internet tivesse se tornado, ela própria, um ?parente? nos lares brasileiros. Pai de três filhos, o presidente do Grupo Gestor da Internet (GSI), Demi Getschko, utiliza-se de e-mails quando precisa dar uma bronca em seus filhos: ?Eu consigo ser mais conciso e ir direto ao ponto sem estourar com eles?. Outro hábito: uma vez por semana, ele envia para a família dicas de sites interessantes. ?Falando a mesma linguagem, a gente se aproxima?, diz o engenheiro. Já o presidente da Associação Brasileira dos Provedores de Acesso, Serviços e Informações da Rede Internet, Antônio Tavares, controla pela tela do computador a andança de seus filhos. ?Consigo me sentir mais tranqüilo?, diz ele. Tavares, que tem uma neta de apenas um ano e faz o estilo avô coruja, viajou em junho para o Marrocos. Foi a primeira vez que ficou longe dela e, para amenizar a saudade, marcou hora para a família conversar pela internet em videoconferência: ?Minha neta me via na tela do computador e sorria.? Se a revolução que a internet promoveu serve cada vez mais para aproximar as pessoas, ela também tem funcionado para introduzir gente nova na família. É o caso da estudante Ana Carolina Grasso, 18 anos. Foi via internet que ela apresentou o seu namorado. ?Os meus pais o conheceram primeiro pelo computador, depois pessoalmente?, diz Ana Carolina. ?Foi o jeito que encontrei para quebrar o gelo.? Na verdade, o gelo foi quebrado além da conta. A sua mãe gostou de computador e hoje vasculha o Orkut da filha para conhecer seus amigos e checar se ela está ?andando na linha?. Foi também para essa checagem que a médica Maria Cristina Rebecchi mergulhou na internet. Desde que seu filho Vinícius foi estudar em Londres, eles não passam um dia sem conversar pelo MSN ou pelo Skype, programa que permite ligações telefônicas. ?Fiz com que ele comprasse um computador com webcam para mantermos contato?, diz a mãe. ?Cuido dele assim.? Empolgada, a médica também aproveita os intervalos das consultas para se conectar com o irmão que mora na Alemanha: ?Antes de eu descobrir a internet, a gente mal se falava.? A psicóloga Ana Olmos, especialista em comportamento de adolescentes, se rendeu ao fascínio da rede. A sua filha Carolina, 22 anos, trancou o curso de medicina em São Paulo para trabalhar na África na área de saúde. Diariamente, mãe e filha conversam pelo Skype e trocam e-mails. ?Prefiro o e-mail porque a Carolina se revela mais?, diz Ana. A psicóloga explica que, relacionando-se pessoalmente, as pessoas podem criar barreiras, ficando na defensiva. ?Pela rede aumentam as chances de nos relacionarmos de uma forma mais livre, verdadeira e integrada.? Além de estreitar laços, a internet oferece produtos sofisticados ? muitos deles ligados diretamente ao conforto e à segurança. Um dos herdeiros de uma conhecida rede de fast-food (que prefere não ter seu nome revelado) acaba de instalar em sua casa, num condomínio fechado de São Paulo, um sistema que controla todos os cômodos da residência. Pelo computador, o empresário pode abrir e fechar portas, janelas e cortinas. Mais: consegue encher ou esvaziar a sua banheira e aquecer o piso da residência. E, se sair apressado e esquecer de apagar alguma lâmpada, basta um clique no mouse do computador de seu escritório ou um comando do celular (que é pré-programado) para resolver o problema. Por tanto luxo, conforto e segurança ele teve de pagar mais de R$ 100 mil. A utilização da banda larga no Brasil não pára de crescer e somente essa rede de alta velocidade pode suportar serviços tão requintados. Atualmente, oito entre dez brasileiros de classe média estão conectados à rede, navegam velozmente e a maioria dos acessos é feita em casa. Com esse índice, as famílias brasileiras deixaram para trás as americanas, européias e japonesas, que ainda preferem a conexão discada (aquela que deixa o telefone mudo toda vez que se entra na internet). Segundo o Ibope/NetRatings, cada domicílio do País gastou em julho deste ano, em média, 20 horas na rede, duas a mais que os domicílios japoneses e três a mais que os dos EUA. ?Sem infra-estrutura, nada disso seria possível?, diz Ethevaldo Siqueira, um dos maiores especialistas em tecnologia da informação no País. Outro impacto é a economia de custos. A compra de carro, por exemplo, passou a ser fundamentalmente determinada pelo computador. Segundo Fabia Juliasz, diretora executiva do Ibope/NetRatings, a cada 20 consumidores que adquirem veículos novos, 15 fazem pesquisas de preço pela internet. E o comércio eletrônico, que começou anêmico há uma década, não pára de bater recordes: no primeiro semestre desse ano, as vendas online atingiram R$ 1,7 bilhão, 80% a mais que no mesmo período do ano passado. O grupo Pão de Açúcar, que lançou o conceito de supermercado virtual, recebe, em média, 90 mil pedidos por ano. Basta clicar na lista dos 12 mil produtos disponíveis para receber a compra no endereço e no horário mais convenientes. A escritora Neusa Sapienza, 62 anos, é uma das clientes mais ativas. ?Pela internet eu não caio na tentação de comprar mais do que devo?, diz ela. Com a economia que faz e o tempo que sobra, Neusa consegue cuidar de si mesma e de sua casa: ?A internet me dá força para que eu seja, cada vez mais, a rainha do lar.?