Economia & Negócios

Concurso: O sonho da estabilidade

Mais de dez milhões de brasileiros se preparam para disputar uma das 80 mil vagas que já foram abertas este ano nos serviços públicos federal, estadual e municipal

Concurso: O sonho da estabilidade

Headhunter Fábio Salomon explica as vantagens das carreiras pública e privada e dá dicas para ter sucesso nos concursos. Assista aos vídeos abaixo:

concurso_site01.jpg

concurso_site02.jpg

 

chamada.jpg
Disputa acirrada
Na quarta-feira 27, centenas de candidatos se preparam no Gran Curso em busca de uma vaga no Ministério Público da União

Depois de quase três décadas de sucateamento, baixos salários e contínuo desprestígio, o serviço público brasileiro renasceu. Antes ignorado pela classe média, que via como sinônimo de sucesso uma vida profissional forjada na iniciativa privada, em especial em grandes multinacionais, hoje os empregos estatais transformaram-se em objeto de cobiça dos melhores cérebros do País. A razão para esse crescente interesse em trabalhar para o Estado não encontra mais explicação no velho estereótipo do Barnabé, o funcionário que pouco trabalha, muito toma da nação e por décadas foi a representação do servidor público. O que move milhões de brasileiros é a promessa de polpudos salários, uma valorização cada vez maior da carreira pública e, claro, a certeza de estabilidade e uma aposentadoria difícil de ser equiparada no setor privado.

img3.jpg
“Espero que o concurso seja anulado e tenha nova chance”
Jorge Romano, candidato do concurso da PRF embargado pela Justiça

A estimativa é de que nesse momento dez milhões de brasileiros estejam estudando para prestar algum concurso público nos próximos 12 meses. O levantamento, com base em dados da Pesquisa Nacional de Amostragem de Domicílios, o PNAD, realizada pelo IBGE, leva em conta tanto aqueles que estão matriculados nos incontáveis cursinhos preparatórios espalhados pelo País como também aqueles que se dedicam a estudar em casa. O número absoluto impressiona, mas impressiona ainda mais quando olhado em perspectiva em relação ao número de habitantes do País: na prática, 5% da população brasileira não apenas quer como também se prepara para conquistar uma vaga no serviço público.

E vagas não faltam. Só este ano estão abertas mais de 80 mil delas nos serviços públicos federal, estadual e municipal. Outras 220 mil serão oferecidas para aqueles que quiserem trabalhar por apenas um ano como recenseadores do IBGE, que fará um novo censo. Existem ainda outros 100 mil postos que estão programados para ser abertos apenas no âmbito federal, mas ainda não foram aprovados por conta de restrições orçamentárias. Ao todo, entre abertas, temporárias e programadas, são quase 400 mil vagas de emprego no serviço público, com salários iniciais variando entre o mínimo e os desejados R$ 20,9 mil oferecidos a juízes substitutos dos Tribunais Regionais do Trabalho. “Hoje em dia, em média, um servidor público federal ganha o dobro dos seus congêneres na iniciativa privada”, diz o professor de relações do trabalho da Universidade de São Paulo, José Pastore, deixando claro por que os concursos públicos têm atraído tantos candidatos. “Nos últimos oito anos os salários públicos da União tiveram um aumento real de 75%, enquanto os do setor privado, de apenas 9%.”

CAMINHO ÁRDUO
Dez dicas de especialistas para passar em um concurso público

img_caminho.jpg

É por conta desse processo de revalorização no serviço público dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário que a grande disputa está concentrada nos concursos federais. Nesse momento estão abertas quase 57 mil vagas, que serão disputadas por alguns milhões de brasileiros que estão se preparando com afinco para conseguir passar no grande funil do serviço público federal. É como um vestibular, mas muito mais disputado. Enquanto 11,5 mil pessoas concorreram às 275 vagas oferecidas pela Faculdade de Medicinas da USP este ano, 143 mil candidatos vão se digladiar por um dos 75 postos de técnico administrativo, com salário inicial de R$ 4,8 mil, que o Banco Central oferece em seu concurso no domingo 31.

Para quem consegue ultrapassar essa barreira a recompensa é a certeza de uma carreira estável, com boa remuneração, muitas benesses e a garantia de uma aposentadoria com padrões de rendimento incomparáveis aos da carreira privada. “No setor privado a disputa é muito grande. Já não basta ser bom, é preciso ser muito bom e ainda assim o começo será difícil”, diz Fabio Salomon, headhunter da multinacional Michael Page, uma empresa especialista em contratar executivos de ponta para grandes companhias.

Foi por isso que Igor Gomes, 26 anos, deixou a família a mais de 2,3 mil quilômetros de distância, em Imperatriz, no Estado do Maranhão. Há três anos ele é aluno da Damásio de Jesus, em São Paulo, uma escola preparatória de concursos, para se preparar para tornar-se juiz ou promotor do Ministério Público. Igor passa cerca de 11 horas por dia estudando e, até agora, já fez cinco tentativas, todas sem sucesso. “O processo é longo, composto por muitas fases, mas me sinto cada vez mais próximo de atingir meus objetivos”, diz ele, que preferiu não se tornar médico, como o pai. Os concurseiros, como Igor, estão acostumados a essa rotina. Deslocam-se milhares de quilômetros para ir atrás de uma melhor preparação e cruzam o País em busca de concursos que lhes ofereçam chance de realizar o sonho de ser um servidor.

img4.jpg
“O processo é longo, mas sinto que estou próximo dos meus objetivos”
Igor Gomes, que há três anos tenta ser juiz

Igor, por exemplo, vai para Curitiba (PR) na primeira semana de março fazer mais um concurso. Dessa vez vai tentar uma vaga de juiz no Estado do Paraná. Para conseguir manter a rotina de estudos e concursos, não trabalha. Recebe uma pensão de R$ 3 mil todos os meses para custear o curso e as despesas em São Paulo. “Vale a pena ficar aqui. Sei que depois terei estabilidade e poderei fazer o que escolhi”, conta.

img2.jpg
“Vale o esforço.Ninguém começa a carreira ganhando R$ 12 mil”
Adriana Noble, que estuda para um concurso que não tem data para ser aberto

Igor Gomes é a ponta de uma indústria bilionária, que movimenta algo próximo a R$ 30 bilhões todos os anos no Brasil. Fazem parte dela empresas especializadas em organizar concursos, cursinhos preparatórios, professores particulares, locadores de imóveis dedicados a pessoas que vão para os grandes centros se preparar, empresas de transporte e uma série de prestadores de serviço que, indiretamente, também lucram com os gastos dos candidatos a uma vaga no serviço público. A estimativa é de que, só com a mensalidade, os concorrentes que se matriculam em um curso preparatório gastem em média R$ 10 mil por ano. E os cursinhos, que antes eram pequenas empresas, tornaram-se corporações com faturamento milionário. A Gran Cursos, de Brasília, conta com mais de 20 mil alunos, que pagam uma mensalidade média de pouco mais de R$ 1 mil. Seu faturamento anual é superior a R$ 200 mihões.

img1.jpg
“É fundamental conhecer os programas, os pesos de cada prova e sistematizar os estudos”
Bertrand Oliveira, procurador da Fazenda e professor de cursinho

As principais organizadoras de concursos, por exemplo, movimentaram sozinhas quase R$ 120 milhões em 2007. Organizaram quase 200 concursos, com mais de dois milhões de inscritos. “O setor mais que dobrou em quatro anos”, diz Maria Theresa Sombra, diretora-executiva da Associação Nacional de Apoio e Proteção aos Concursos, a Anpac. “Em 2005 havia 40 empresas. Hoje já são mais de 100.”

Essa explosão de concursos também tem gerado problemas. Só no ano passado pelo menos 20% dos concursos públicos ocorridos no País tiveram algum tipo deles. Um dos casos mais graves ocorreu no concurso da Polícia Rodoviária Federal, que selecionaria 750 novos agentes. Todos os primeiros colocados de diferentes Estados fizeram prova em salas extras, o que era permitido apenas para pessoas em condições especiais, como lactantes. Além disso, em uma das questões da prova de física, todos os primeiros colocados erraram, porque marcaram a alternativa que era dada como certa no gabarito preliminar, antes de a prova ter sido alterada. O concurso foi suspenso pela Justiça e a PRF decidiu rescindir o contrato com a Funrio, que organizou o concurso, alegando que houve descumprimento das condições do contrato.

No prejuízo ficaram os 120 mil candidatos que prestaram a prova em setembro do ano passado. Entre eles está o gestor de segurança Jorge Romano, 28 anos, um dos autores da denúncia. Romano parou de trabalhar há dois anos para se dedicar a concursos. Havia sido aprovado para a PRF em 2007, mas, por morar no Rio de Janeiro, não quis assumir porque a vaga era para o Pará. “Tinha certeza de que ia passar nesse também. Espero que o concurso seja anulado para não beneficiar quem não merece”, diz ele, cujo sonho era ser diplomata, mas não foi aprovado nas duas provas que fez para o Itamaraty. Para ele ainda há esperança de refazer a prova e voltar a ter uma chance.

img6.jpg
“Não se estuda para passar, se estuda até passar”
Fábio Gonçalves, diretor de cursinho preparatório

Mas para Carolina Machay, 30 anos, no entanto, as esperanças já se foram. Classificada em primeiro lugar no concurso para técnica industrial de impressos digitalizados da Casa da Moeda, ela ganhou, mas não levou. “Não esperava passar em primeiro lugar”, lembra Carolina. O concurso foi em 2005 e durante longos quatro anos a web designer, que fez 78 dos 100 pontos possíveis na prova, esperou em vão pelo chamado. O prazo de validade do concurso expirou em 2009 e Carolina nunca foi convocada. O que ela não sabia até entrar em contato com a estatal é que não havia lido com atenção o edital do concurso, que deixava bem claro que o recrutamento era para o cadastro de reserva e que a Casa da Moeda não tinha obrigação de contratar os aprovados. Casos como esse são comuns. Muitas vezes os candidatos estão tão ansiosos que se esquecem de detalhes simples, porém fundamentais.

E isso não acontece apenas com letras miúdas de editais. São mais comuns, na verdade, no processo de preparação para a prova. Muitos candidatos acabam criando um fluxo de estudos que não segue técnica ou uma estrutura lógica. “É fundamental o estudante sistematizar os estudos”, diz Bertrand Oliveira, procurador da Fazenda Nacional e professor de um cursinho em Brasília.

img_escada.jpg

Estudar para um concurso público é uma tarefa árdua, que demanda tempo e paciência. “Na média, um candidato demora de seis meses a 1,5 ano para passar em um concurso de nível médio, com salário inicial de R$ 2,5 mil, e de 1,5 ano a 3 anos para conseguir uma vaga num concurso de nível superior, com ganhos iniciais de mais de R$ 12 mil”, diz José Romero Baubeta, diretor da Central de Concursos, um curso preparatório de São Paulo. “É uma rotina de operário, mas não na quantidade de horas que se estuda, mas sim na forma, que tem que ser focada e disciplinada”, diz Wilson Granjeiro, dono da rede Gran Cursos, de Brasília. “A filosofia é simples: não se estuda para passar, mas sim até passar”, diz Fábio Gonçalves, da Academia dos Concursos, outra escola preparatória, no Rio.

img5.jpg
“O candidato que quer passar precisa ter uma rotina de operário”
Wilson Granjeiro, dono da rede Gran Cursos

É exatamente essa filosofia que vem regendo a vida de Adriana Noble, uma brasiliense de 25 anos, desde 2007, quando se formou em direito. Desde então ela se prepara para um concurso do Ministério Público da União que ninguém sabe ao certo quando terá o edital publicado. Nesse período Adriana já fez duas especializações, uma em direito civil e outra em direito do trabalho, e estuda continuamente as matérias que, acredita, cairão no concurso. Ao mesmo tempo ela trabalha na universidade onde se formou, em um departamento criado para que os ex-alunos possam ter os dois anos de experiência exigidos. “O setor público dá estabilidade e uma aposentadoria que nenhuma empresa garante”, diz ela, filha de funcionários públicos. “Além disso, ninguém começa a carreira ganhando R$ 12 mil.” De fato, boas razões para tanto esforço e tanto investimento.
Colaborou Natália Leão

img_numeros.jpg

Links relacionados:

http://www.anpac.org.br

http://www.concursos.com.br