Em Cartaz

O bom fanfarrão

Carlos Imperial (1935-1992) lançou o primeiro disco de Elis Regina, foi responsável pela descoberta de Tim Maia e pelo reconhecimento de Roberto Carlos, Wilson Simonal e Erasmo Carlos

O bom fanfarrão

Carlos Imperial (1935-1992) lançou o primeiro disco de Elis Regina, foi responsável pela descoberta de Tim Maia e pelo reconhecimento de Roberto Carlos, Wilson Simonal e Erasmo Carlos. O mais impressionante na memória do produtor musical, porém, não são seus feitos na cultura nacional, mas sua incontida personalidade. Os diretores Renato Terra e Ricardo Calil souberam tirar um ótimo partido da fanfarronice criativa do diretor, ator e compositor que se auto-denominava o Orson Welles brasileiro em “Eu Sou Carlos Imperial”, documentário que entra em circuito comercial na quinta-feira 17, em todo o País. Costurado por entrevistas – ótimas e raras, como a de Roberto Carlos reconhecendo que alguém lhe ajudou na carreira – o filme transcende o retrato e homenageia uma era da cultura brasileira divertida e mambembe que é pouco lembrada e reconhecida no cenário politicamente correto por onde caminha hoje a boa arte nacional. 

1Cartaz.jpg

 
 
 
+5 filmes sobre a cena musical brasileira
 
Tim Maia
Cinebiografia baseada no livro “Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia”, de Nelson Motta
 
2Cartaz.jpg

 

 
A Música, segundo Tom Jobim
Documentário sobre a vida do compositor dirigido por Nelson Pereira dos Santos
 
Raul Seixas – O Início, o Fim e o Meio
Walter Carvalho dirige o longa sobre a trajetória do roqueiro baiano 
 
Wilson Simonal – Ninguém Sabe o Duro que eu Dei
A história dos passos do músico que culminaram com seu banimento da cena cultural 
 
Loki – Arnaldo Baptista
Detalhes da vida desse que foi um dos criadores dos Mutantes