Comportamento

Perigosas sereias

Moda entre as meninas, cauda com nadadeiras traz grandes riscos de afogamento para as crianças

Perigosas sereias

AMEAÇA

Transformar em realidade o sonho de ser uma princesa da Disney é uma ideia encantadora para as crianças e até para muitos adultos, ainda mais quando o cenário de fantasia é o fundo do mar. O acessório para natação “Cauda de Sereia”, moda no Canadá e nos Estados Unidos, chegou ao Brasil no final do ano passado e faz qualquer menina se sentir a própria Ariel, protagonista do clássico “A Pequena Sereia”. O problema é que, apesar de convidativa, a fantasia é também perigosa e causa grandes riscos de afogamento. É o que alertam que a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), a ONG Criança Segura e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Essas entidades contra-indicam o uso da nova moda. A nadadeira, inclusive, já foi banida nas cidades canadenses Edmonton e Surrey, onde houve acidentes. 

ZICA-04-IE.jpg
AMEAÇA
A cauda é feita de lycra e impede os movimentos das pernas

A cauda também tem sido muito utilizada em nados sincronizados e exige uma habilidade aquática complexa. Normalmente feita com lycra/Spandez, prende as duas pernas e impede o movimento básico feito para boiar. “Ao segurar as pernas, a fantasia afeta o equilíbrio corporal”, diz Marislaine Lumena de Mendonça, presidente do Departamento Científico de Segurança do SBP. Se os responsáveis se distraírem por segundos e a menina, usando a cauda, resolver entrar na piscina, há sérios riscos de ocorrer um acidente. “Nadar não é o problema”, diz David Szpilman, diretor-médico do Sobrasa. “O perigo é quando a criança para e tenta se equilibrar, mas fica sem os pés para apoiar.” Segundo o Ministério da Saúde, o afogamento é a segunda causa de morte acidental entre crianças de 1 a 9 anos. 

"O perigo é quando a criança para e tenta se equilibrar, mas fica sem os pés para apoiar"
David Szpilman, diretor-médico do Sobrasa