Comportamento

A vez dos chefs mirins

Na onda do sucesso dos reality shows culinários, canais investem nas competições infantis, enquanto cresce a procura por aulas de gastronomia para crianças

A vez dos chefs mirins

APRENDIZES

Na terça-feira 15, a final do reality show culinário “MasterChef Brasil”, exibido pela Rede Bandeirantes, deixou a emissora em primeiro lugar por 21 minutos, superando a líder Rede Globo. De olho nessa onda, emissoras brasileiras decidiram investir em atrações culinárias que focam em chefs mirins. Desde 27 de agosto o canal pago GNT, da Globosat, exibe o cativante “Que Marrravilha! Chefinhos”, em que pequenos cozinheiros aprendem técnicas culinárias com ninguém menos do que o chef francês Claude Troisgros. Já a Bandeirantes anunciou que trará ao País, em outubro, o “MasterChef Júnior”, gincana que promete testar os dotes culinários de 21 participantes entre 8 e 13 anos. Em apenas duas semanas, mais de 3,5 mil crianças se candidataram a participar do programa. “Existe uma parcela cada vez maior de crianças interessadas em gastronomia”, diz Ric Ostrower, diretor do “Que Marravilha! Chefinhos”.

CHEF-ABRE-IE.jpg
APRENDIZES
Candidatos aprendem técnicas com o chef Claude Troisgros no "Que Marravilha! Chefinhos"

A curiosidade das crianças a respeito dos ingredientes e a vontade de se aventurarem na cozinha têm motivado também uma procura cada vez maior por aulas de culinária pensadas para elas. A recém inaugurada EAT Scuola, em São Paulo, tem cursos para adultos e pequenos. Lá, os aspirantes a chefs mirins podem participar de aulas de até quatro horas em que aprendem de onde vêm os alimentos, quais são as melhores combinações de sabores, além de literalmente colocarem a mão na massa. “Vemos que, na maioria das vezes, são os próprios filhos que pedem para frequentar as aulas”, afirma Daniele Genaro, coordenadora de marketing e eventos da EAT Scuola. O pequeno Arthur Antônio Júnior, de 10 anos, é um exemplo. “Aprendi a fazer omelete e bolo de chocolate, meu prato preferido”, diz.

CHEF-02-IE1.jpg
MINI
Athur Júnior, de 10 anos, frequentou um curso de gastronomia para aprender a cozinhar

A segurança tem de ser redobrada quando se envolve criança e cozinha. “Há momentos em que não posso estar presente, de acordo com as regras do programa, mas o Batista, meu assistente, fica sempre atento, ao lado dos participantes, para diminuir o risco de se cortarem”, diz o chef Claude Troisgros. Já para o chef Erick Jacquin, jurado do “MasterChef Brasil” e escalado para a versão júnior, o maior desafio será pegar leve nas críticas negativas. “Com criança precisa ser mais suave. Tem que dar risada, brincar”, diz.

Fotos: Alexandre Campbell; Airam Abel