Edição nº2488 18.08 Ver edições anteriores

Eu vou tirar você deste lugar

Incompreendido e equivocadamente rotulado, Odair José foi e continua sendo um dos grandes da música popular brasileira

PAULO-LIMA-IE.jpg

Nossa capacidade de engavetar pessoas em compartimentos etiquetados com rótulos burros e reducionistas é mesmo incrível. Odair José é possivelmente uma das mais notórias vítimas desse tipo de ignorância. Felizmente porém, a sabedoria popular se encarrega de fazer justiça com as próprias mãos, ouvidos e bolsos. Quando compôs uma música denunciando a condição análoga ao trabalho escravo em que vivia boa parte das empregadas domésticas brasileiras nos anos 70 por exemplo, o artista foi taxado de brega e apelidado pejorativamente  de “cantor das empregadas domésticas”

Odair José estourou nos anos 1970, mais precisamente em 72 quando o compacto “Eu Vou Tirar Você Deste Lugar” vendeu um milhão de cópias, um número altíssimo para os padrões da época. A música, que descrevia o amor romântico de um homem por uma prostituta, evidenciou o estilo autêntico e corajoso das letras de suas composições e que marcou sua extensa e popular obra. Entre milhões de admiradores dessa canção, um marcou especialmente: Dorival Caymmi que certa vez disse ao autor que aquela era uma das canções mais sensíveis e belas que jamais tinha ouvido.

No ano seguinte lançou “Odair José”, o LP que o consagrou. Quase todas as músicas do disco foram executadas exaustivamente nas rádios do país em sua fase pré-FM. Sua primeira faixa, “Deixa Essa Vergonha de Lado”, começa assim: “Eu já sei que essa casa onde você diz morar, onde todo dia no portão eu venho lhe esperar, não é a sua casa. Eu já sei que o seu quarto fica lá no fundo e se você pudesse fugir desse mundo e nunca mais voltar…” Esta balada romântica tocou fundo o coração de uma multidão de mulheres brasileiras que compunham o contigente de empregadas domésticas do país, trabalho que nem regulamentado pela lei estava, o que aconteceu logo em seguida no mesmo ano da canção, 1973. A música falava da humilhação de uma empregada que escondia sua condição por vergonha e medo de perder o seu amor. A partir daí, como mencionado no início, passou a ser conhecido como “o cantor das empregadas domésticas”. Odair explica:

“A letra, naquele momento, foi feita para chamar a atenção para uma classe de profissionais que era totalmente desrespeitada. Não eram reconhecidas como funcionárias, eram praticamente escravas. Serviam para ser amantes do dono da casa, do filho do dono, eram exploradas com horários absurdos. Elas tinham vergonha daquilo porque era uma situação totalmente à margem do saudável”. O álbum também continha outra de suas canções icônicas, a “Uma Vida Só – Pare de Tomar a Pílula”. A partir deste disco, Odair lançou uma sequência de LPs, que o colocaram como um artista popular de grande vendagem durante toda a década.

Aos 66 anos , depois mais de 40 de carreira, que incluíram um disco experimental incompreendido que o levou ao ostracismo e ao vício em cocaína, hoje Odair corre cerca de 1200km por ano e mantém o mesmo peso dos anos de mocidade, tempo em que era visto perambulando por gravadoras e rádios ao lado de colegas e amigos como Raul Seixas e Tim Maia. Redescoberto e incentivado por artistas mais jovens como Zeca Baleiro, José tem feito shows e gravado cds de músicas inéditas com sucesso como o recém lançado “Dia 16”. E preserva a calma e o discurso claro e seguro de quem não precisa mais provar nada.

“Ele sempre foi um artista influente, mas agora, com o juízo generoso do tempo e da história, tem sido devidamente reconhecido e será cada vez mais”, disse Zeca Baleiro, que produziu “Praça Tiradentes”, penúltimo álbum de Odair, lançado em 2012, numa entrevista recente à Folha de São Paulo.
Brega é não entender Odair José.

A coluna de Paulo Lima, fundador da editora Trip, é publicada quinzenalmente 


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.