Edição nº2480 23.06 Ver edições anteriores

Jogo rápido

Novo relator do mensalão, Luis Roberto Barroso quer decidir as grandes pendências do processo nesta semana

Novo relator do mensalão, Luis Roberto Barroso quer decidir as grandes pendências do processo nesta semana. Em questão o direito ao trabalho externo de José Dirceu, Delúbio Soares e outros, bem como os pedidos de prisão domiciliar de José Genoino e Roberto Jefferson. Barroso pediu a inclusão dos recursos na pauta do plenário da quarta-feira 25, última sessão do semestre. Caso não consiga julgar no colegiado, é provável que decida sozinho. Monocraticamente, como se diz no jargão jurídico.

BOECHAT-ABRE-IE-2326.jpg 

STF
Justiça na ONU

Antes de embarcar de Nova York para o Brasil, na terça-feira 17, Barroso soube ter sido sorteado para o caso. Parafraseando Fernando Pessoa a um amigo que foi cumprimentá-lo, afirmou: “Não tenho preferência quando não deva ter preferências”. Convidado pela ONU, ele foi aos EUA falar num evento que debateu “objetivos de desenvolvimento do milênio”, pelos quais a entidade lutará. Barroso falou sobre “Desenvolvimento sem justiça gera consumidores, e não cidadãos”.

Clima
Não faltará água

No início de julho, depois da inauguração do Arco Metropolitano, no Rio de Janeiro, a Fundação Cacique Cobra Coral, presidida pela médium Adelaide Scritori, que diz ter o poder de influenciar as condições climáticas, vai traçar uma linha de frentes entrando pelo interior do continente e atingindo o sul de Minas, beneficiando Furnas e o sistema Cantareira, que abastece de água boa parte da capital paulista. A médium já havia alertado a presidenta Dilma Rousseff de que não se daria bem quem apostasse no racionamento de energia ou de água.

Esporte
Brocador do basquete

Tiago Splitter não foi o único jogador na final da NBA com vínculo ao Brasil. Além do vitorioso pivô catarinense do San Antonio Spurs, no outro lado da quadra estava Chris Bosch. O jogador do Miami Heat é filho de um militar americano que serviu em Natal (RN) na década de 80. De volta aos EUA, quando o menino nasceu, o pai registrou a marca da furadeira como parte do sobrenome do bebê, tal a satisfação que tinha ao usar o equipamento no Brasil.

BOECHAT-03-IE-2326.jpg

Infraestrutura
Acabou a prioridade

Cinco anos ministro das Cidades (2005 a 2010), Márcio Fortes acredita que ficará no papel a grande maioria dos projetos de mobilidade não concluídos nas cidades-sede da Copa. “Vários estádios terão pouco uso após o Mundial. Daí, as obras no entorno não sairão ou terão ritmo tão lento que, se um dia ficarem prontas, produzirão poucos benefícios para a população. E ao custo mais que o dobro do estimado. Em outras palavras, quem fez, fez, quem não fez, já era. Para Fortes, a exceção será o Rio de Janeiro, devido à Olimpíada.

BOECHAT-02-IE-2326.jpg

PSDB
Já deu

O tema crise na Petrobras deve sair um pouco do centro do discurso do tucano Aécio Neves. O assunto já deu o que tinha que dar, na avaliação de assessores do candidato. Também há que considerar que a CPI em curso não produzirá grandes efeitos, a julgar pelos passos que caminha.

Brasil
Minha casa, nem tanto

Os programas sociais do governo federal devem render menos votos do que na eleição passada. Testes de pesquisas mostram que o tamanho do público beneficiado não aumentou; portanto, não rende mais votos do que em 2010. Quem ganhou o benefício, quer mais. E não apenas comemorar.

BOECHAT-05-IE-2326.jpg

OEA
Cadeira vazia

Faz três anos que o Brasil não tem representação efetiva na OEA. Quando o secretário-geral José Insulza encontra Dilma Rousseff trata do assunto. A presidenta ficou de nomear um sucessor para o embaixador Ruy Casaes e continua tudo na mesma. Com US$ 9 milhões/ano, somos o segundo maior contribuinte da organização, atrás dos EUA. A relação fria vem da recomendação da entidade, em 2011, para o fim da obra da hidrelétrica de Belo Monte. Houve pedido de desculpas ao País a posteriori, mas a postura do Brasil sinaliza que a mágoa segue.

BOECHAT-04-IE-2326.jpg

Brasília
Minha culpa, minha culpa…

José Roberto Arruda, candidato novamente ao governo do Distrito Federal, está testando a sua popularidade. Quer saber se pode fazer novo pedido de desculpas à população, pelo flagra de dinheiro recebido que lhe custou o impecheamnt, em março de 2010. Se as pesquisas derem um sinal positivo, começará pedindo desculpas no programa eleitoral. De novo.

Eleições 1
Na dianteira

Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) renunciou à candidatura à Presidência da República. A saída do senador da corrida presidencial, porém, tem agitado a política amapaense. O motivo é um só. Ele deve ser o nome dos socialistas ao governo do Estado. A chegada de Randolfe embaralha a disputa no Estado, já que nas últimas pesquisas, quando seu nome aparecia no páreo, ele estava na liderança.

Eleições
Ficha suja

De olho nas eleições de outubro, o ex-deputado federal catarinense Leodegar Tiscoski (PP) deixou o cargo de secretário Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades para candidatar-se a uma cadeira na Câmara Federal. No entanto, seu sonho de voltar ao parlamento pode ser interrompido pela Comissão de Ética da Presidência da República. Tiscoski é acusado de ter exercido uma dupla função. Ao mesmo tempo que ele ocupava um cargo público, operava como tesoureiro nacional do partido. Em tempo: as empreiteiras contribuíram com cerca de R$ 15 milhões nas campanhas do PP em 2010. Tiscoski nega o acúmulo de função.

Serviço Público
Para todos?

Número 1 da Companhia Nacional de Abastecimento, Rubens Santos criou o programa “Bom Dia Presidente”. O blá-blá-blá, ao vivo, é uma ode à administração. Na quarta-feira 18, anunciou a implantação do ponto eletrônico na casa. A representante da Associação dos Servidores interrompeu a fala para saber se Rodrigo Calheiros, filho de Renan Calheiros, assessor da presidência e contracheque de R$ 10,1 mil, também seria submetido ao controle – “há uns 90 dias não aparece na empresa”. Como se diz no campo onde a Conab atua, Santos mudou rápido o rumo da prosa.

Base de dados
Tabelinha

Começam no dia 2 de julho, em Brasília, as reuniões do Grupo de Trabalho criado para implantar o eSocial, sistema que funcionará como uma folha de pagamento digital, unificando em uma plataforma on-line informações fiscais, previdenciárias e trabalhistas que as empresas são obrigadas a enviar ao governo. Empresários e governo à mesa. A Firjan e a Fiesp representarão a indústria nos encontros.

Seguro
O mundo da Copa

A Copa movimentou cerca de R$ 15 milhões em prêmios do seguro de responsabilidade civil, que protege contra danos causados a terceiros. Segundo a Federação Nacional de Seguros Gerais, para um risco de 30 dias, o valor representa 2% do prêmio total da carteira. Em outro campo, o Mundial alavancou vendas no Mercado Livre. O comércio de camisas da seleção subiu 2.430% até aqui. E o torneio segue até 13 de julho.

Música
Donatão 80

Clássico LP de João Donato de 1973, “Quem é quem” será relançado em CD com áudio remasterizado e projeto gráfico original. O disco traz composições de sucessos de João Donato, que vai fazer 80 anos daqui a dois meses, como “Amazonas”, “A rã”, e “Chorou, Chorou” (com Paulo César Pinheiro). Este será um dos primeiros de uma série que a Universal Music colocará no mercado após a compra da EMI/Odeon. Na esteira estão álbuns raros e fora de catálogo de Taiguara (“Fotografias”), Dalva de Oliveira (“Dalva”) e Tim Maia (“Velho Camarada”).

BOECHAT-06-IE-2326.jpg

 


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.