Artes Visuais

A invenção do Ceará

Uma das mais completas coleções de arte brasileira, pertencente à Fundação Edson Queiroz, ganha exibição permanente em Fortaleza

A invenção do Ceará

HERÓIS Pescadores arrastam jangada em foto de Chico Albuquerque ()

TRAJETÓRIAS – ARTE BRASILEIRA NA COLEÇÃO FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ/ Espaço Cultural Unifor, Fortaleza XVII UNIFOR PLÁSTICA 2013/ Espaço Cultural Unifor, Fortaleza/ até 24/3/14

Fazendo uso de pincéis, lentes, do buril de xilogravura ou do gesto escultórico, Antônio Bandeira, Estrigas, Raimundo Cela, Aldemir Martins, Chico Albuquerque e Luiz Hermano desenharam as paisagens que caracterizam a iconografia cearense. Eles estão entre os artistas, os literatos e a gente do povo que, segundo o curador Paulo Herkenhoff, “contribuíram para a invenção do Ceará”. Sua colaboração se fez na composição de paisagens marinhas ou de retratos do cangaço. Essas obras realizadas por alguns dos “inventores” da imagem cearense formam a base estrutural – a raiz – da Coleção Fundação Edson Queiroz, que abrange todo o território nacional e todo o século XX, em cerca 500 obras de arte.

chamada.jpg
HERÓIS
Pescadores arrastam jangada em foto de Chico Albuquerque

A coleção tem estatura para ilustrar vários cursos avançados de história da arte brasileira. É composta por alguns grandes ícones nacionais, como “Amigas” (1913), de Lasar Segall; ou “Índia Carajá” (1962), reconhecida como a última pintura de Portinari; ou cerca de 25 telas da fase das “bandeirinhas”, de Volpi. Com 250 obras da coleção, a exposição “Trajetórias” pode ser interpretada como o primeiro desses “cursos especializados” de história. Com curadoria de Herkenhoff e Marcelo Campos, a mostra está organizada de forma a propor uma nova leitura da arte do século XX.

Entre os módulos, há territórios conhecidos, como a abstração informal, geométrica, o concretismo e o neoconcretismo. Mas, para além dos capítulos já escritos da história, há também aproximações insuspeitas em novas categorias como “Natureza”, “Cidades”, “Origem” ou “Fantasmática”. Nesta última, estão reunidos artistas de repertórios tão diversos quanto Iberê Camargo, Goeldi, Ismael Nery, Flávio de Carvalho, Tunga e Leonilson. Em “Natureza”, aproximam-se Sérgio Camargo, Frans Krajcberg, Burle Marx, Beatriz Milhazes e José Bento. Essas livres associações tornam a exposição um campo fértil para a visualização de novos aspectos da arte brasileira.

VISUAIS-03-IE-2299.jpg
FACE
Autorretrato de Antônio Bandeira, pertencente ao movimento
modernista de Fortaleza nos anos 1940

Se Chico Alburquerque, fotógrafo do lendário “É Tudo Verdade”, filme inacabado de Orson Welles, contribuiu para a invenção do Ceará com fotografias de pescadores dominando o vento no mar, o colecionador Airton Queiroz contribui para a cultura de seu Estado através de um projeto educacional. “Minha contribuição é ensinar a crianças, adolescentes e jovens o caminho da arte. Estamos cuidando para que eles tenham contato com todo tipo de arte. Quero ter desde Frans Post até a arte de hoje”, diz Queiroz, chanceler da Universidade de Fortaleza, desde 1973 a única universidade particular do Estado do Ceará, hoje com 25 mil alunos.

Além de colocar sua coleção ao alcance do público, do estudante universitário e de alunos de escolas públicas, a fundação assumiu o papel de difusão da arte contemporânea nordestina. A XVII edição do salão bienal Unifor Plástica, apresenta obras recentes de artistas como Marepe, Waléria Américo e Jonathas de Andrade, atestando o vigor de uma produção artística de raiz e base sólida no Nordeste, porém antenada com todo o mundo.

VISUAIS-04-IE-2299.jpg
SANGUE NOVO
Fotografia de Waléria Américo exposta na bienal Unifor Plástica

Em claro movimento de expansão e conexão com os grandes centros da arte, a Fundação Queiroz doou, durante a SP-Arte 2013, obras para a Pinacoteca do Estado de São Paulo e para o MAC USP. Em 2014, o mais novo mecenas da arte brasileira estará em São Paulo, na feira e na Pinacoteca, que irá expor um recorte de sua coleção. Mais um bom curso de história em vista.

VISUAIS-02-IE-2299.jpg
ORIGEM
Na última tela pintada, "Índia Carajá", Portinari incorpora religiosidade

Fotos: Divulgação