A semana

Nem tão favela

Nem tão favela

É claro que morador de favela ainda sonha com todo o conforto da “vida no asfalto que acaba aonde o morro principia”, como diz a letra de uma das mais famosas marchas carnavalescas imortalizada na voz da cantora Marlene. Mas hoje no Brasil as favelas localizadas nas regiões metropolitanas apresentam significativos indicadores socioeconômicos de que a vida melhorou. O acesso à internet por meio de computador ou celular e a utilização da rede bancária são exemplos de tais indicadores positivos. Cerca de 11,7 milhões de pessoas em todo o País vivem em favelas, e 65% dessa população está na classe média. Mais: 52% dos moradores acessam a internet (nesse universo 85% possuem Facebook) e pelo menos 53% têm conta corrente ou poupança em bancos. A pesquisa foi feita pelo instituto Data Favela/Data Popular em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pará, Ceará, Pernambuco, Bahia, Paraná, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.