Tecnologia & Meio ambiente

Eles sonham alto

Empreendedores bilionários do mercado de tecnologia usam as fortunas acumuladas para colocar em prática seus projetos mais malucos, ambiciosos e grandiosos. As invenções vão de foguetes reutilizáveis a privadas que transformam dejetos em energia

Eles sonham alto

Conheça, em vídeo, algumas das invenções que saíram da cabeça desses bilionários geniais:

THUMB_CARROGOOGLE_255.jpg

Um foguete que será capaz de decolar, mover-se para os lados e pousar delicadamente em seu retorno à Terra é apenas um dos grandes projetos do sul-africano Elon Musk, empreendedor que ajudou a fundar o sistema de pagamentos online PayPal. A criação, que parece não ter nada a ver com o negócio original do empresário, só foi possível porque Musk usa a fortuna acumulada para dar asas à imaginação. Com os bolsos recheados após vender suas ações por US$ 1,5 bilhão, em 2000, ele teve condições de mergulhar em projetos ambiciosos e, muitas vezes, considerados malucos, como a ideia de montar uma colônia em Marte.

01.jpg

Musk não está sozinho nesse tipo de empreitada. Diversos empreendedores do mundo da tecnologia resolveram se afastar de seu negócio principal para correr riscos em áreas mais desafiadoras e divertidas (confira quadro). Para Larry Page, cofundador do Google, esses projetos fora do comum são cruciais e deveriam receber mais investimentos das empresas. “Minha batalha é fazer com que as pessoas gastem mais em pesquisa e desenvolvimento no longo prazo”, afirmou durante a apresentação do balanço financeiro da companhia, no último dia 17. Segundo ele, a maioria das empresas gasta pouco em pesquisas experimentais. “Mesmo entre as que contam com orçamentos robustos, 99% dos investimentos são aplicados no que já existe.”

Mas será que esses projetos “fora da caixa” dão certo? O exemplo do próprio Elon Musk prova que sim. Além de ter criado a Tesla Motors, fabricante de carros elétricos mais bem-sucedida do mundo, o sul-africano já conseguiu chegar ao espaço. Uma de suas companhias, a SpaceX, fechou acordos com a Nasa e desenvolveu a Dragon, a primeira nave privada a levar carga para a Estação Espacial Internacional. Agora, a empresa trabalha no Grasshopper, que pode se tornar o primeiro foguete reutilizável já criado. Em um teste realizado em outubro, a nave atingiu quase mil metros de altura e depois pousou com perfeição no local programado. Pela diversidade de atuação e capacidade de correr riscos, o ator e diretor Jon Favreau se inspirou em Musk para caracterizar o personagem Tony Stark, inventor e super-herói da franquia “Homem de Ferro”.

02.jpg

No Google, os projetos inusitados sob a tutela de Larry Page incluem um carro autônomo, capaz de se dirigir sozinho, que está em testes desde 2010. A empresa também investe no Loon, uma rede de balões desenvolvida para levar conexão à internet para pessoas que vivem em áreas rurais e remotas do mundo. Ao flutuarem em elevadíssimas altitudes, as antenas são capazes de se comunicar entre si e enviar o sinal a grandes distâncias. O primeiro teste do sistema foi realizado em junho, na Nova Zelândia. Outra aposta da empresa é o Calico, projeto de pesquisas na área de saúde anunciado em setembro. Uma de suas iniciativas será estudar doenças relacionadas ao envelhecimento e maneiras de aumentar a expectativa de vida.

Vencer a morte também é o propósito do alemão Peter Thiel. Cofundador do PayPal, um dos primeiros investidores do Facebook e hoje presidente do fundo multimercado Clarium Capital, ele investe pesado em pesquisas antienvelhecimento. “As pessoas dizem que a morte é natural e parte da vida, mas acho que nada pode estar mais longe da verdade”, diz. O empreendedor, que já doou US$ 3,5 milhões para a Fundação Matusalém, que distribui prêmios para pesquisadores que conseguem prolongar a longevidade de ratos de laboratório, também apoia a Fundação Sens, dirigida por Aubrey de Grey, cientista conhecido por suas pesquisas de reversão do envelhecimento.

TECNO-03-IE-2294.jpg
MALUQUICE
O "relógio de dez mil anos", idealizado pelo criador da Amazon, Jeff Bezos,
ficará enterrado em uma montanha e jamais repetirá suas melodias

Claro que nem todas as criações dos magnatas da tecnologia são fáceis de compreender. O americano Jeff Bezos, que criou a empresa de comércio online Amazon, hoje investe na fabricação do “relógio de dez mil anos”. O aparelho ficará enterrado em uma montanha no Texas e deverá “estimular a reflexão sobre a evolução da civilização humana e seu legado”, nas palavras do bilionário. O que seria das grandes invenções sem um pouco de maluquice?