A semana

Transexual se submete à eutanásia devido à “dor psíquica”

Transexual se submete  à eutanásia devido  à “dor psíquica”

Quarenta e quatro anos atrás nasceu na Bélgica Nancy Verhelst, uma menina que nunca se adequou psiquicamente ao corpo que tinha – quando se olhava no espelho não se identificava com seu reflexo. Nancy cresceu, decidiu se tornar cirurgicamente homem e submeteu-se a três procedimentos – terapia hormonal, mastectomia e operações plásticas para a “construção de um pênis”. Nada deu certo. “Não me transformei em homem nem me mantive mulher. Virei um monstro”, declarou Nancy recentemente. Na semana passada ela submeteu-se à eutanásia – e morreu. Embora não fosse portadora de enfermidade terminal e irreversível, os médicos intervieram para que morresse evocando a lei que lhes permite fazer isso quando “o sofrimento físico e psíquico se tornou insuportável”. A eutanásia foi legalizada na Bélgica em 2002 e, desde então, foi aplicada 52 vezes em virtude de sofrimento psicológico.