Medicina & Bem-estar

Mais cuidado para o coração feminino

Para conter a escalada de mortes por problemas cardíacos entre as mulheres, médicos adotarão padrões mais rigorosos de avaliação de risco

Mais cuidado para  o coração feminino

REABILITAÇÃO

O coração da brasileira será alvo de cuidados mais intensos. Neste semestre, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) adotará diretrizes mais rígidas para prevenir na população feminina a aterosclerose (formação de placas que podem levar à obstrução da passagem do sangue nas artérias) e os problemas cardiovasculares a ela associados, como o infarto. “Usaremos métodos mais sensíveis para diagnosticar com precisão os riscos de infarto, insuficiência cardíaca e de acidentes vasculares cerebrais na mulher”, afirma Raul Dias dos Santos, diretor da Unidade Clínica de Lípides do Instituto do Coração (InCor), de São Paulo, e um dos autores das novas regras que serão apresentadas aos médicos no próximo congresso da SBC, em setembro.

chamada.jpg
REABILITAÇÃO
Jaine, 52 anos, optou por fazer exercícios monitorados por uma
cardiologista em vez de cirurgia para recuperar o coração

Na origem dessa reformulação estão índices preocupantes. Se na década de 1960 a cada dez mortes por infarto, nove eram homens, hoje essa proporção subiu. De cada dez óbitos, quatro são de mulheres. Por uma associação de fatores que inclui desde a possibilidade de ter sintomas diferenciados do infarto (dores nas costas e náuseas, por exemplo) até a busca tardia de atendimento emergencial (por maior tolerância à dor ou desconhecimento dos riscos e sintomas) e a probabilidade de ser mal avaliada, as chances de uma mulher morrer de infarto acabam sendo 50% maiores do que as de um homem da mesma idade. “A mulher é subdiagnosticada. E uma das causas disso é a incapacidade de os médicos de detectar os sinais da doença cardiovascular na população feminina na emergência”, afirma Dias dos Santos. Foi o que aconteceu com Cinara Albert, 41 anos, de Porto Alegre. Ela tinha 35 anos quando sofreu um infarto. “Senti uma dor na barriga”, conta. Atendida em um hospital público, sua pressão foi considerada normal e ela foi liberada. Preocupada, ligou para um amigo e pediu para ser levada ao Hospital Mãe de Deus. “Lá constataram que eu havia infartado.”

CORACAO-03-IE-2283.jpg
PREVENÇÃO
Lidia, 41 anos, sofre de arritmia e toma remédios. Como sua mãe também
era cardíaca, ela submete o filho Gabriel, 8 anos, a testes de colesterol

Diante dessa realidade, os novos paradigmas serão mais severos. Hoje, as mulheres que alcançam 10% de chance de ter um infarto ou acidente vascular cerebral nos próximos dez anos são enquadradas pela maioria dos médicos na categoria de risco moderado. Esses riscos são calculados com a ajuda de uma escala que avalia a presença de fatores de risco como taxas de colesterol, pressão arterial, peso, idade e histórico familiar. Até agora, quem não supera 10% nesse escore costuma sair da consulta com indicações para baixar o colesterol com dieta, fazer atividade física e parar de fumar se tiver o hábito.

CORACAO-04-IE-2283.jpg
NEGLIGÊNCIA
Cinara, 41 anos, infartou aos 35. Foi a dois hospitais até ser
diagnosticada corretamente e receber tratamento

Pela nova cartilha, esse grupo passará a ser visto como de alto risco e deverá ser tratado com medidas mais agressivas. Aquelas que convivem com dois ou mais fatores de risco precisarão reduzir rapidamente as taxas da fração ruim do colesterol, o LDL, e garantir que não fique além do limite máximo de 100 mg/dL de sangue. Para quem já teve infarto, o limite do LDL é de 70 mg/dL de sangue. Antes, pertenciam à categoria de risco elevado as mulheres que somavam 20% de probabilidade de infartar ou de ter derrame nos próximos dez anos. Com as alterações, a proporção de mulheres brasileiras em situação de alto risco para doenças cardiovasculares passa de 10% para 30%. “As mulheres e os médicos precisam entender que é um mito que elas não infartam. Necessitam incorporar a ideia de que devem fazer check-up cardiológico assim como vão ao ginecologista”, afirma o médico Roberto Kalil Filho, diretor do Instituto do Coração de São Paulo. 

01.jpg

A mudança a ser implantada é baseada nas recomendações adotadas em 2011 pela Associação Americana do Coração. Elas determinam, por exemplo, que a avaliação do risco de diabetes integre o pacote de testes. Fora de controle, a doença aumenta a fragilidade dos vasos sanguíneos e o potencial inflamatório, acelerando a progressão dos problemas cardíacos. “Estamos melhorando as formas de conferir o risco ao considerar a diabetes e também um marcador de risco de alta sensibilidade, a proteína C-reativa, cujo nível é detectado por exames de sangue. Por esse teste, vimos que muitas mulheres antes identificadas como risco intermediário deveriam ser classificadas no patamar superior”, disse à ISTOÉ a cardiologista Nieca Goldberg, da Associação Americana do Coração. A ação dessa proteína aumenta a oxidação do colesterol e seu efeito ruim sobre os vasos.

02.jpg

Algumas mulheres já estão atentas aos cuidados com seu coração. “Com os exercícios supervisionados por uma cardiologista, estou conseguindo fortalecer o coração e eliminar os sintomas de forte pressão no peito que sentia”, diz a engenheira Jaine Isensee, 52 anos, do Rio de Janeiro. Após sentir sintomas no trabalho, ela iniciou uma maratona de exames que detectou uma artéria totalmente entupida. Teve indicação de cirurgia ou reabilitação e optou pela segunda. “Bem indicado e monitorado, o exercício aumenta a circulação colateral do coração e melhora a irrigação”, atesta a cardiologista do esporte Isa Bragança, da Clínica Cardiomex, do Rio de Janeiro. A arquiteta Lidia Mie, 40 anos, de São Paulo, também não se descuida da prevenção. “Minha mãe tinha arritmia. Tomo remédios. E meu filho Gabriel, 8 anos, já se previne”, afirma.  

Fotos: Masao Goto Filho /Ag. Isto É; Gabriel Chiarastelli;  Marcos Nagelstein