A semana

Para não dizer que não falamos de cinema – e de bebês

Para não dizer que não falamos de cinema – e de bebês

Há um filme clássico intitulado “Mas não se matam cavalos?” É considerado o mais profundo mergulho na podridão da alma daqueles que buscam ibope fácil valendo-se da desgraça alheia. Na semana passada um programa de televisão no Paquistão (metade da população passa fome) deixou o cinema para trás. Na guerra pela audiência, Aamir Liaquat Hussain, um dos mais populares apresentadores do país, passou a distribuir crianças para o auditório. “Se não estivéssemos dando no ar esse bebê, ele estaria abandonado e um cão ou outro animal faminto acabaria devorando-o”, diz Hussain. A plateia aplaude. Mais bebê: em Pernambuco a polícia está investigando denúncias de venda de bebês pela internet. O valor gira em torno de R$ 50 mil. É possível encontrar nas locadoras o filme citado também com outro título: “A Noite dos Desesperados”.