Medicina & Bem-estar

Sempre seco

Aparelhos que usam ondas eletromagnéticas e de ultrassom prometem acabar com o suor excessivo

Sempre seco

Assista ao vídeo:

2013_05_29_ED3_ISTOE_SUOR_255.jpg

 

Chamada.jpg

Dois novos equipamentos mostraram-se ótimas armas para combater o suor excessivo. Chamado de hiperidrose, o problema prejudica a qualidade de vida, impedindo, muitas vezes, o indivíduo de trabalhar calmamente ou de participar de atividades sociais. O primeiro aparelho é o Miradry, aprovado pela Food and Drug Administration, agência do governo americano responsável pela liberação de instrumentos relacionados aos cuidados com a saúde.

O Miradry age emitindo ondas eletromagnéticas sobre as glândulas sudoríparas (produtoras do suor) presentes nas axilas. A energia destrói as estruturas, mas sem causar danos excessivos aos tecidos ao redor. “Cerca de 90% dos pacientes mostram-se satisfeitos, mesmo após dois anos do tratamento”, afirma a dermatologista Márcia Linhares, integrante da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Nos Estados Unidos, o equipamento está em uso desde 2011. Também é usado no Japão. No Brasil, deve chegar em breve.

IEpag88_Suor.jpg

Uma de suas principais vantagens em relação aos outros métodos disponíveis é o fato de não ser invasivo e, mesmo assim, oferecer resultados duradouros. Na lista das opções estão as cirurgias e as aplicações de toxina botulínica (interrompem a comunicação nervosa entre as glândulas e o cérebro). O efeito da toxina, porém, é temporário (cerca de dez meses), o que exige repetidas aplicações. “No caso do Miradry, as glândulas não se regeneram depois de terem sido eliminadas”, explica a dermatologista Thais Pepe, integrante da Sociedade Americana de Dermatologia. Ainda não se sabe ao certo o preço do tratamento. Estima-se que cada sessão vá custar de R$ 6 mil a R$ 8 mil.

O outro equipamento é o Ulthera, um dos maiores sucessos na área da beleza por sua eficácia contra a flacidez. Ele se baseia na emissão de ondas de ultrassom. Um estudo realizado na Universidade de Miami, sob o patrocínio do fabricante, mostrou que a energia destrói as glândulas sudoríparas, reduzindo em cerca de 80% a produção de suor. “Seu efeito também é duradouro e ele pode tratar qualquer região do corpo”, afirma a dermatologista Mônica Aribi, integrante da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Novas pesquisas estão sendo feitas com um número maior de participantes para que sua eficácia neste caso seja referendada.

Foto: shutterstock