Tecnologia & Meio ambiente

Século 21

Século 21

T E C N O L O G I A
O B-2 de 2020
A Força Aérea dos EUA encomendou à Northrop Grumman estudos para uma nova geração de bombardeiros estratégicos que voarão após 2020. A gigante aero-espacial Northrop Grumman foi escolhida para a tarefa por ter projetado e ser a fabricante do B-2, o mais moderno e letal bombardeiro americano (cada um custa a bagatela de US$ 1 bilhão). O B-2 teve seu batismo de fogo nos céus da Iugoslávia durante a Guerra de Kosovo, travada no início do ano, e está aposentando os quarentões e obsoletos B-52, os pássaros de aço que estrelaram filmes como Doutor Fantástico, de Stanley Kubrick (1964). Quando, por sua vez, chegar seu dia de virar sucata, o B-2 será substituído por bombardeiros como o da ilustração. Voará a altitudes estratosféricas – acima dos 20 mil metros -, sendo invisível ao radar e alcançando velocidades hipersônicas (acima dos 5.000 km/h).

C I Ê N C I A
Catapulta celeste
Foi inaugurada no Centro de Vôo Espacial Marshall, da Nasa, no Estado americano do Alabama, uma rampa especial. Foi feita para testar a tecnologia de lançamento de naves aceleradas pela levitação magnética. O protótipo, de 1,5 metro e apenas 13,5 quilos, é acelerado por imãs dispostos ao longo de 15 metros de trilho, indo de zero a 100 km/h em meio segundo. Em 2000, os trilhos serão estendidos para 120 metros e os testes prosseguirão. Mas para um dia essa tecnologia colocar satélites em órbita, a agência espacial americana terá de fazer uma rampa de 1,5 quilômetro. Com esse comprimento, poderá acelerar naves de 1adas até 1.000 km/h. Uma vez no ar, acionarão seus propulsores para atingir a órbita terrestre.

I N F O R M Á T I C A
O fim do túnel
"A capacidade dos chips dobra a cada dois anos", diz a Lei de Moore, criada por Gordon Moore, fundador da Intel. Desde que foi formulada, em 1965, têm-se conseguido colocar cada vez mais transistores num único chip, tornando-o mais poderoso. Em 2000, a Intel lança uma nova geração, a Itanium. Seus fios são 500 vezes menores que a espessura de um fio de cabelo. E já se pensa numa geração 50% menor. "O limite da Lei de Moore está próximo", alertou um cientista da empresa na revista Science. Reduzir ainda mais os componentes é um desafio às leis da Física. Um desafio que os sábios da Intel ainda não sabem como contornar.

I N F O R M Á T I C A
Megadisco
O disco rígido acima, que a IBM acaba de lançar, mal cabe entre as sete cordas de uma guitarra. Mas tem uma capacidade de armazenamento de dados monstruosa. São 73 gigabytes. Nele cabem 16 longa-metragens ou 96 horas de música, algo como 24 óperas. Equipará os PCs e notebooks que aportarem no mercado em 2001.