Tecnologia & Meio ambiente

Transformadores

Vencedores da segunda edição do Projeto Sustentabilidade convertem retalho em colcha, água suja em limpa e lixo em arte ou matéria-prima para a indústria

Transformadores

TRAGÉDIA INSPIRADORA Deslizamentos

SUSTENTA-CAPA-IE.jpg
TRAGÉDIA INSPIRADORA
Deslizamentos em Petrópolis estimularam a administradora
Cláudia Martins a criar o Projeto Recicla Tecido

Os amigos de Cláudia Martins frequentemente perguntam por que, apesar das duas graduações em matemática e direito e da carreira como diretora-financeira, ela decidiu trabalhar com reciclagem de tecidos. Nessas horas ela sempre evoca os deslizamentos de terra que atingiram Petrópolis em janeiro de 2011 e deixaram mais de 35 mil desabrigados. “Foi um marco na minha vida. Fui ser voluntária e vi pessoas que tinham perdido tudo. Não tinham nem uma manta para cobrir os filhos”, diz a administradora de 54 anos.

A visão das crianças descobertas foi o estopim da ideia de recolher retalhos para fazer colchas, que doava para os moradores carentes da região. Depois que soube da nova lei sobre resíduos sólidos do País e do problema que o lixo gera na cidade, ela decidiu que iria se empenhar para manter as sobras de tecido longe dos lixões e bueiros. “Pensei que sozinha eu não conseguiria, mas poderia capacitar outras mulheres”, diz Cláudia. Foi assim que surgiu o Projeto Recicla Tecido, que ensina mulheres de comunidades da região o ofício da costura. Além de diminuir a quantidade de resíduo na cidade, as alunas de Cláudia ainda ficam com a renda dos produtos vendidos. Apenas no ano passado, 100 mulheres passaram pela experiência.

01.jpg
NADA SE PERDE
Com o site B2Blue.com, Mayura Okura ajuda a reaproveitar resíduos sólidos de empresas

Resultados e atitudes como esta se destacaram no Projeto Sustentabilidade, iniciativa da Editora Três, que publica ISTOÉ. Durante todo o ano de 2012, leitores enviaram para a redação suas ideias e projetos. Escolhidas por uma comissão julgadora, os quatro vencedores ocupam estas páginas.

Outro projeto premiado também vai na linha do “o que é lixo para uns vira recurso para outros”. Esse princípio básico da reciclagem é elevado a novos patamares pela empresa paulistana B2Blue.com. No site, companhias que precisam dar um destino correto a seus resíduos sólidos encontram empresas dispostas a comprá-los. Há de tudo nesse verdadeiro mercado livre do lixo: plástico, tecido, madeira, eletrônicos, entulho, fios de cobre, papelão e até restos de comida. “Nós queremos mostrar para as empresas que os resíduos têm valor”, explica Mayura Okura, fundadora da B2Blue.com.

02.jpg
MATERIAL
Itens como garrafas PET viram brinquedos no Projeto Arte Ecológica

“Uma confecção pode vender retalhos para uma fabricante de bancos de carro, por exemplo.” O foco do site, que ganha comissão em cada transação, são os negócios de pequeno e médio portes. No último mês, quase 700 toneladas de resí­duos foram comercializadas. Isso significa, segundo dados da empresa, que 865 árvores deixaram de ser cortadas para a fabricação de papel e 156 toneladas de minério foram poupadas. Bom para o meio ambiente e para o bolso das empresas.

Companhias menores e condomínios, que não dispõem de muitos recursos para programas de sustentabilidade, estão na mira de um time de engenheiros gaúchos que desenvolveu uma maneira eficiente e confiável de purificar água para reúso. A solução da OZ Engenharia combina membranas de microfiltração a um aparelho de oxidação por ozônio. O conjunto faz com que a água que sai de pias, máquinas de lavar e até de descargas possa ser utilizada novamente para regar jardins, lavar calçadas ou resfriar máquinas (leia o quadro). “O sistema é mais confiável do que os filtros tradicionais porque, quando as membranas ficam saturadas, elas naturalmente impedem a passagem de água contaminada”, explica o sócio-proprietário Fábio Rahmeier. Graças ao uso de bombas, a limpeza das membranas de microfiltração ocorre de forma automatizada, o que diminui o gasto com manutenção e mão de obra.

03.jpg

Após a morte de sua mulher, em 2003, o garçom Carlos Alves Barbosa, 40 anos, se voltou para um hobby que cultivava havia anos: fazer brinquedos com materiais que outras pessoas consideram lixo, como garrafas PET, jornais e peças de eletrônicos. “Começou como distração, virou terapia e hoje eu planejo expandir a ideia”, diz Barbosa. O objetivo é criar uma escola onde pessoas de todas as idades possam aprender como reaproveitar o material que antes iria se acumular em aterros e bueiros. “Enquanto estava na Força Aérea, dei oficinas para adolescentes de 14 a 17 anos. O interessante é que nesses momentos a gente acabava também passando algo sobre as nossas experiências de vida para eles”, relembra Barbosa. Já o conhecimento sobre o meio ambiente ele reuniu no livro “Consciência Ecológica”. Agora, procura parcerias para montar sua própria escola. Com isso, pode facilitar o surgimento de mais candidatos com boas ideias para as próximas edições do Projeto Sustentabilidade.

selo.jpg          patrocinio.jpg

Fotos: Pedro Dias/Ag. Istoé; dbimages/Alamy