Cultura

Alô, Marília!

Os veteranos Miguel Falabella e Marília Pêra criam em "Alô, Dolly!" a "Broadway com dendê"

Alô, Marília!

ALO-ABRE-IE-2239.jpg
PROJETO
Os atores vão atuar juntos de novo em 2013: “Estamos casados artisticamente”

Um dos clássicos da canção americana, a música “Hello, Dolly” ficou conhecida especialmente pelo dueto de Louis Armstrong e Barbra Streisand. Agora vai ganhar a sua versão brasileira na voz de Marília Pêra e Miguel Falabella, que estreiam na sexta-feira 12 (Teatro Oi Casagrande, Rio de Janeiro) o musical ao qual pertence a música “Alô, Dolly!”. A dupla de atores que já assinou parcerias de sucesso nos palcos e na tevê, sempre com um olho na ribalta e outro nos bastidores, divide a cena pela primeira vez. E em um espetáculo que os fascina desde a sua primeira montagem no Brasil, em 1966, com Bibi Ferreira no papel da viúva casamenteira Dolly Levi.

Na época, Marília chegou a fazer testes para participar como bailarina, mas não foi aprovada. Falabella, então com 8 anos, conseguiu um lugar na plateia e se apaixonou pelo que viu. Precisou esperar pela moda dos musicais para que o encontro entre os atores e o personagem acontecesse. “Temos uma longa história, mas ainda não tínhamos atuado juntos”, conta Falabella, que teve a sua peça de formatura no curso Tablado dirigida por Marília. “O Miguel tem muitas amigas atrizes e se cerca delas nos seus projetos. Agora chegou a minha vez”, completa Marília, lembrando que o par romântico com o amigo se repetirá na televisão, no seriado “Pé na Cova”, que estreia em janeiro do ano que vem. “Estamos casados artisticamente”, diz a atriz.

IEpag108_Marilia.jpg

O espetáculo se passa no final do século XIX, em Nova York, onde a protagonista, viúva há muitos anos, é conhecida por formar casais. Contratada pelo mal-humorado comerciante interiorano Horácio Vandergelder (Falabella), ela decide fisgar o milionário para si própria. Para tornar a produção mais atraente aos brasileiros, Falabella (que também é o diretor) se permitiu algumas liberdades na adaptação, cortando texto e músicas. “Ninguém mais aguenta musicais de três horas. Minha Broadway tem molho de dendê”, afirma.

Foto: Divulgação