Artes Visuais

Especial ArtRio Fair – Entrevistas com cinco galerias internacionais

Confira as entrevistas com os representantes das galerias

Especial ArtRio Fair – Entrevistas com cinco galerias internacionais

01.jpg
Galerista David Zwirner ao lado de obra que trará ao Brasil

Entrevistas com cinco galerias internacionais participantes da Art Rio Fair

Entre os dias 13 e 16 de setembro, a segunda edição da ArtRio Fair coloca o Brasil em destaque no calendário das feiras de arte internacionais. Das 120 galerias que estarão no evento, metade corresponde a participação de galerias internacionais: 60 ao todo. Em uma série de entrevistas especiais a Revista Istoé conversou com alguns dos diretores das mais importantes galerias mundiais sobre o crescimento do interesse do mercado de arte internacional na arte latino-americana e sobre as expectativas em relação ArtRio Fair. Confira abaixo a entrevista com os representantes das galerias Sikkema & Jenkins CO (Nova York), Kai Kai Kiki (Japão), Gagosian (Paris), David Zwirner (New York), Sonnabend Gallery (Nova York) e Tania Bonakdar (Nova York)

Entrevista Katie Rashid, diretora da galeria Sikkema & Jenkkins CO. – Nova York

05.jpg

Por que a ArtRio Fair foi incluída no calendário de eventos da galeria Sikkema & Jenkins Co.? De quantas feiras a galeria participará este ano?
Ficamos interessados em participar da ArtRio Fair desde a primeira edição da feira, no ano passado. Consideramos o fato de que nossa galeria representa artistas do Brasil e demais países da América do Sul e que, portanto, já tínhamos alguma presença na região. Estamos ansiosos para rever nossos clientes, com os quais já trabalhamos há anos e vê-los visitando nossa galeria, só que agora em seu próprio país natal. Além da ArtRio Fair, já participamos de cinco feiras este ano.

Quais foram os critérios da galeria ao selecionar os artistas que serão mostrados no Rio?
Escolhemos incluir uma seleção representativa do nosso elenco, mostrando artistas que são do país ou que já tiveram exposições no Brasil, como Vik Muniz, Janaina Tschape, bem como a Kara Walker, cujo trabalho já foi apresentado na Bienal de São Paulo em 2002, e a artista Sheila Hicks que participará desta edição da Bienal.

Quais são as expectativas da galeria em relação a ArtRio Fair?
A participação na feira será uma ótima oportunidade para prospectarmos e apresentarmos nosso programa e assim expandir nossos relacionamentos. Esperamos fazer novos clientes e tornar mais forte as relações que já temos com o Brasil e a América Latina.

Entrevista com coletivo de arte e design Kai Kai Kiki, da Galeria Kai Kai Kiki -Tokyo

06.jpg

Por que a galeria decidiu incluir a RioArt Fair em seu calendário de atividades e feiras em 2012? De quantas feiras a galeria irá participar neste ano?
Recentemente, nós participamos de muitas feiras na América Latina e recebemos uma resposta muito calorosa. A maneira como as pessoas vêem e apreciam arte por aí é muito similar a maneira do Japão. Além da feira do Rio, participamos do Armory Show de Nova York, Zona Maco, SP Arte, Art Melbourne, Art Hong Kong e Art Stage Singapore. Por apreciar muito a cerâmica japonesa, Takashi Murakami abriu outra galeria dedicada à venda de cerâmicas e outros itens, e por isso participaremos da Sofa Chicago, que é uma feira dedicada às artes aplicadas.

Qual foi o critério de seleção da galeria para escolher os artistas que serão mostrados na ArtRio Fair?
Se tivéssemos que descrever em apenas uma única palavra os nossos critérios seriam definidos pela expressão polinização. Nós exibimos artistas que quebram as fronteiras japonesas e cujo trabalho é amplo e de difícil classificação de gênero ou práticas metodológicas. Por outro lado, nossos artistas produzem obras em um contexto particular cultural e ao mesmo tempo criam algo universal. Para a ArtRio Fair estamos considerando o clima e o contexto cultural do lugar, fazendo um esforço consciente para escolher artistas cujos temas e cores se encaixam nesses requisitos.

Quais são as expectativas da galeria em relação a ArtRio Fair?
Nós sempre consideramos o modo de vida e o gosto de cada área das feiras que participamos. Para o Brasil, nosso objetivo é o de agradar com obras vívidas e apaixonantes.

Entrevista com Greg Lulay, diretor da David Zwirner Gallery- Nova York

03.jpg

Porque a ArtRio Fair foi incluída no calendário de feiras da galeria para o ano de 2012? De quantas feiras a galeria irá participar este ano?
A galeria participará de 15 feiras internacionais neste ano de 2012. Nos últimos anos, participamos de feiras nos EUA, Europa, Asia, América Latina e Oriente Médio e achamos que agora é a ocasião ideal para adicionar a ArtRio Fair no nosso programa, devido ao crescimento de colecionadores advindos dessa região. A ArtRio é um marco porque é a primeira vez que a David Zwirner Gallery participará de uma feira na América do Sul. E nossa decisão foi dada devido à longa tradição de colecionismo no Brasil. Construímos um relacionamento de peso com colecionadores brasileiros, que possuem coleções centradas no período Neoconcreto. Nos últimos tempos, esses colecionadores voltaram suas atenções para o Modernismo Internacional e para artistas da Arte Contemporânea, incluindo alguns artistas do Minimalismo. A tradição do Colecionismo está combinada ao crescimento econômico brasileiro que também está fomentando o surgimento de novos colecionadores.

Qual critério a galeria usou para escolher em seu elenco os artistas que serão apresentados nessa edição da ArtRio Fair?
A galeria planeja exibir grandes trabalhos feitos por artistas Minimalistas e Conceituais como Donald Judd, Dan Flavin, Fred Sandback, On Kawara e John McCracken. Também apresentaremos alguns trabalhos dos principais fotógrafos contemporâneos como Thomas Ruff, Stan Douglas, Philip-Lorcca diCorcia, James Welling e Christopher Williams, rodeados pela obra-prima do pintor americano Alice Neel. Também teremos o trabalho de Francis Alÿs e Chris Ofili.

Quais são as expectativas da galeria em relação a essa edição da ArtRio Fair?
A feira será uma plataforma essencial para a galeria atingir tanto colecionadores privados quanto museus. Estamos ansiosos em mostrar nosso programa aos curadores da região, bem como nossos artistas esperam participar de mais eventos na América do Sul.

Entrevista com Tanya Bonakdar, diretora da galeria Tanya Bonakdar- Nova York

04.jpg

Porque a ArtRio Fair foi incluída no calendário de feiras da galeria para o ano de 2012? De quantas feiras a galeria irá participar este ano?

A galeria participa da Art Basel, da Miami Basel, Frieze de Londres, e agora Frieze Art Rio. Nós sempre tivemos um circuito internacional para nossos artistas. Nós sentimos que é essencial como galeria a projetar nosssos artistas para além do âmbito nacional. Uma das maneiras de fazer isso é participar de feiras de arte. Quando participamos da Art Basel em junho e da Frieze Londres, em outubro, queremos atingir o público europeu que não tem oportunidade de nos visitar em Nova York. Da mesma forma, quando estamos na Frieze Nova York e na Miami Basel, estamos alcançando o público americano. Agora participando de Arte do Rio, queremos chegar aos públicos latino-americanos.

Qual critério a galeria usou para escolher em seu elenco os artistas que serão apresentados nessa edição da ArtRio Fair?
Vamos trazer obras de Ernesto Neto, Olafur Eliasson, Tomas Saraceno e Thomas Scheibitz. Nós sentimos que esses artistas têm força no mercado brasileiro por causa de sua presença no Brasil em Bienais passadas e em exposições por aí. Recentemente, Olafur teve sua primeira exposição individual na América Latina, em São Paulo, em um show multi-local, no Sesc Belenzinho, SESC Pompéia, e Pinacoteca do Estado. Tomas Saraceno participou da Bienal de SP em 2006 e Thomas Scheibitz em 2004.

Quais são as expectativas da galeria em relação a essa edição da ArtRio Fair?
A galeria vem trabalhando com artistas brasileiros há um longo tempo. Fizemos a primeira mostra de Ernesto Neto em 1997, Sandra Cinto, em 1999, e Rivane Neuenschwander, em 2006. Visatmos as Bienais de SP desde 1994, com curadoria de Paulo Herkenhoff e Adriano Pedrosa , que exibiu o trabalho de Ernesto Neto, Sandra Cinto e Olafur Eliasson, que são representados por nós. A conexão com o Brasil sempre foi importante e os colecionadores brasileiros demonstraram apoio ao nosso programa ao longo dos anos. Estamos ansiosos para continuar a desenvolver esse relacionamento no ArtRio.

Entrevista com Jason Ysenburg, Diretor da Sonnabend Gallery- Nova York

02.jpg

Porque a ArtRio Fair foi incluída no calendário de feiras da galeria para o ano de 2012? De quantas feiras a galeria irá participar este ano?
Este ano participaremos apenas da ArtRio Fair. Privilegiamos a Feira em nosso programa de eventos devido a importância que o mercado latino-americano vem ganhando. O crescimento do número de colecionadores interessados em arte brasileira também é algo que nos atrai.

Qual critério a galeria usou para escolher em seu elenco os artistas que serão apresentados nessa edição da ArtRio Fair?
Nós queremos reproduzir na ArtRio aquilo que fazemos enquanto galeria aqui em Nova York. O que posso revelar a princípio, é que transformaremos nosso estande em uma instalação provocativa.

Quais são as expectativas da galeria em relação a ArtRio Fair?
Nossa principal expectativa é a de estabelecer novos diálogos com novos colecionadores da região e conhecer os curadores dos museus e instituições culturais da América do Sul.Nós acreditamos que é importante investir em coisas que possuem relevância para a nossas próprias ideias, modo de vida e interesses. Inclusive, representamos artistas que refletem o nosso modo de pensar. Estamos buscando novas oportunidades e novos horizontes para não dependermos exclusivamente de um cenário em crise a qual também acreditamos que será passageira.