Em Cartaz

Voz rouca na eletrônica

Endeusada por cineastas e por uma legião de roqueiros, a cantora americana Cat Power (chama-se na realidade Chan Marshall) mostrou, em 17 anos de carreira, que gosta de criar personagens

Voz rouca na eletrônica

Ouça “Cherokee” :

 
 

CARTAZ-01-IE.jpg

Endeusada por cineastas e por uma legião de roqueiros, a cantora americana Cat Power (chama-se na realidade Chan Marshall) mostrou, em 17 anos de carreira, que gosta de criar personagens. Ela já posou de junkie nos primeiros álbuns, assumiu o estilo crooner no disco “Jukebox” (interpretou standards como “New York”) e agora, no CD, “Sun”, encarna uma surpreendente diva da eletrônica. “Cherokee”, a faixa de abertura, já anuncia o tipo de som que vai se repetir ao longo das 11 faixas: um casamento de sua voz rouca às batidas sincopadas, guitarras e pianos. Mais para o final, “Nothin’ But Me” reserva um dueto de 10 minutos com Iggy Pop, quando a cantora entoa com o roqueiro o verso “depende de você para ser diferente de tudo”. Com “Sun”, Cat Power fez muito bem a sua parte.

CARTAZ-06-IE-2235.jpg

+5 filmes com canções de Cat Power

CARTAZ-X-IE2235.jpg

Abraços partidos (foto)
O estilo intenso da cantora na música “Werewolf” caiu bem na trama melodramática do filme de Pedro Almodóvar

Juno
“Sea of Love” embala a história de uma garota que escolhe os pais adotivos para seu filho

Um Beijo Roubado
“Living Proof” é ouvida nas cenas protagonizadas por Jude Law e Norah Jones, em sua estreia como atriz

Ricky
A história do bebê que tem asas e pode voar tira bastante proveito da canção “The Greatest”, uma das melhores de Cat Power

V de Vingança
Essa ficção científica trata do totalitarismo e a canção “I Found a Reason”, presente na trilha sonora, da descoberta da esperança