Cultura

A papisa secreta

Oficialmente, sua santidade era Inocêncio X. Nos bastidores, quem tomava as decisões da Igreja era uma mulher: Olímpia Maidalchini, de grande tino para a política e os negócios

A papisa secreta

AUSTERA Olímpia Maidalchini reduziu as despesas do Vaticano: economia nos salários dos religiosos e nos luxos gastronômicos ()

chamada.jpg

O pontificado do papa Inocêncio X (1574-1655), famoso pelo retrato que fez dele o pintor espanhol Diego Velásquez, foi marcado por reformas institucionais, oposição ao protestantismo e grande atenção às artes. No entanto, quem conduzia esses movimentos nos bastidores era uma mulher, Olímpia Maidalchini Phamphili. Cunhada do papa e extra oficialmente imposta por ele no Vaticano, Donna Olímpia era conhecida pelo tino para os negócios e pela esperteza política e, em decorrência disso, passou a cuidar das finanças e lidar com as autoridades na Santa Sé. Sua trajetória dentro da Igreja Católica foi “uma história embaraçosa”, como define a escritora americana Eleanor Herman na biografia “Senhora do Vaticano” (Objetiva), que descreve em minúcias a atuação da chamada “papisa secreta”.

01.jpg

Sua influência sobre Inocêncio X, que assumiu o poder com idade avançada (70 anos), iniciou-se na forma de confidente e logo passou a incomodar a sociedade romana: devido aos constantes encontros entre os dois e com a agravante de que Olímpia tornara-se viúva, suspeitava-se de uma relação amorosa entre eles. Nessas visitas sigilosas, ela utilizava uma passagem secreta existente nos jardins do Vaticano para que ninguém, nem mesmo o mordomo, notasse a sua presença. A autora, no entanto, contesta esse romance. Acredita que a “papisa” passasse o tempo colocando em ordem as finanças da Igreja.

02.jpg
AUSTERA
Olímpia Maidalchini reduziu as despesas do Vaticano: economia
nos salários dos religiosos e nos luxos gastronômicos

Entre os itens que entraram no saneamento das contas, Eleonor alinha atividades supérfluas, salários dos funcionários e até luxos gastronômicos. No plano político, ela assumiu a dianteira e era quem recebia os dignitários estrangeiros. Ou seja: ninguém chegava ao papa antes de se tratar com Donna Olímpia. A autora cita o depoimento do embaixador veneziano da época: “Ela sabe como satisfazer seus desejos com a autoridade de um ministro. Tem inteligência e espíritos masculinos, só se revela como mulher por meio de sua altivez e avareza.” Isso significava, na prática, que todo e qualquer visitante da autoridade mor da Igreja Católica deveria levar para ela um agrado – embora a maioria a odiasse. “Ela agarrou o poder com todas as forças e acabou dirigindo o Vaticano, a instituição mais antifeminina da história, transformando o próprio papa e muitos cardeais em suas marionetes”, conclui a autora.

03.jpg

Fotos: www.bridgemanart.com; TPG IMAGES/GRUPO KEYSTONE

 

 

Leia um trecho do primeioro capítulo do livro: 

O Convento

 

Ó, não nasça mulher, se quiser fazer as coisas a seu modo.

— Lucrécia de Medici

 

No dia 26 de maio de 1591 , enquanto os gritos de sua esposa

cortavam o ar, Sforza Maidalchini esperava impacientemente

pelo nascimento de seu bebê. Tudo dependeria do sexo da

criança. Teria de ser um menino, de qualquer maneira.

 

Nascido por volta de 1560, Sforza era um homem de origem humilde

e sonhos grandiosos. Cresceu na cidade central italiana de Acquapendente,

nos Estados Papais, um território com cerca de 1,5 milhão de habitantes

situado no terço central da península italiana e governado pelo

papa como um monarca temporal secular. Olhando ao redor do mundo

da Itália do século XVI, Sforza percebeu o escancarado abismo entre ricos

e pobres, entre os que se banqueteavam e os que passavam fome. Riqueza,

posição, prestígio — eram as únicas coisas que importavam.

 

Quando jovem, o ambicioso Sforza obteve um emprego no departamento

de impostos de Viterbo, a capital da província. Sua tarefa era

avaliar a propriedade e a renda dos fazendeiros e criadores de gado nos

campos férteis além dos muros da cidade. Todos que eram alguém na

cidade possuíam propriedades fora dela, trazendo seus próprios vegetais

e sua própria carne em vez de comprá-los no mercado. O trabalho de

 

Sforza o colocou em contato com os homens mais ricos, poderosos e

bem-sucedidos da região — abastados latifundiários, políticos e mercadores

de Viterbo.

 

Embora em muitas cidades o coletor de impostos provavelmente

não fosse muito popular, Sforza tinha um talento especial para granjear

a amizade de pessoas influentes, de tornar-se encantador e indispensável.

Trabalhando incansavelmente, pouco a pouco subiu na hieraquia.

Juntou dinheiro e foi promovido no emprego. Ao longo dos anos, seu

prestígio aumentou na comunidade. Em 1590, recebeu o título honorário

de castelão da Civita Castellana, uma antiga fortaleza perto de

Viterbo, e foi colocado no comando da força militar nas cidades vizinhas

de Sutri e Capranica.

 

Seu prestígio crescia continuamente, e o plano ambicioso que traçara

para sua vida estava se desenrolando perfeitamente. Mas de que

adiantaria todo esse esforço se não tivesse um filho que pudesse carregar

seu legado no futuro? Somente um filho poderia fazer com que o

medío cre nome de Maidalchini ressoasse com grandeza através dos

séculos.

 

É verdade que Sforza já tinha um filho de sua falecida primeira

esposa. Nascido em 1581, Andrea era o foco das ambições dinásticas do

pai. Mas um filho não era o bastante para garantir a linhagem da família

em uma sociedade em que aproximadamente 50% das crianças morriam

jovens. Sforza sabia que deveria produzir um substituto para o

papel de herdeiro da futura grandeza da família.

 

E, para fazê-lo, o promissor viúvo teria de encontrar uma esposa

substituta.

 

Não precisou procurar muito. Seu patrão, Giulio Gualtieri, era um

nobre de Orvieto, um povoado vizinho, a quem o governo dos Estados

Papais, sediado em Roma, atribuíra o cargo de coletor de impostos da

província. Em reconhecimento ao trabalho duro, aos hábitos frugais e

às valiosas conexões de Sforza, Gualtieri lhe concedeu a mão de sua filha

Vittoria com um generoso dote.

 

Para sua grande alegria, Sforza agora estava casado com a filha de

um nobre e tinha no banco uma reconfortante pilha de dinheiro.